Índice europeu de ações tem mínima em 3 meses por desastre japonês

Índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou em queda de 1,12 por cento, aos 1.109 pontos, menor patamar desde oo final de 2010

Londres – As bolsas de valores da Europa fecharam no menor nível em mais de três meses nesta segunda-feira, derrubadas por companhias de seguros, com preocupações sobre o impacto econômico do terremoto e consequente tsunami no Japão.

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou em queda de 1,12 por cento, aos 1.109 pontos, menor patamar de fechamento desde o início de dezembro de 2010.

“(O desastre é) outro fator negativo para o crescimento econômico em 2011. O setor de seguros está sob pressão, pois o terremoto pode apagar uma grande porção dos ganhos do setor neste ano”, disse Don Fitzgerald, gestor de fundos europeus de ações da Tocqueville Finance, que administra 2,2 bilhões de dólares.

“Qualquer coisa relacionada ao setor nuclear está sob pressão, com operadores apostando em uma regulação mais dura. Ao mesmo tempo, o setor de energia renovável está favorecido como o outro lado dos negócios.” As companhias de serviços públicos tiveram as maiores perdas, com o índice do setor caindo 2,1 por cento. A E.ON, que tira de usinas nucleares 41 por cento da capacidade de produção de energia na Alemanha, depreciou-se 5,3 por cento. A Alemanha gerou dúvidas sobre a indústria nuclear e a Suíça adiou algumas aprovações de usinas.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em baixa de 0,92 por cento, a 5.775 pontos.
Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,65 por cento, para 6.866 pontos.
Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 1,29 por cento, para 3.878 pontos.
Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,27 por cento, para 21.804 pontos.
Em MADRI, o índice Ibex-35 avançou 0,17 por cento, para 10.415 pontos.
Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou em alta de 0,88 por cento, para 7.965 pontos.