Imobiliárias, MMX e Natura movimentaram o mercado hoje

O Ibovespa fechou em alta de 0,73% nesta quarta-feira, aos 58.878 pontos

São Paulo – O Ibovespa fechou em alta de 0,73% nesta quarta-feira, aos 58.878 pontos. O índice voltou a renovar a máxima do ano impulsionado pelo cenário eleitoral.

Na Europa, a maioria bolsas fecharam em baixa, em meio à cautela entre os investidores antes da divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). 

O Banco Central norte-americano sinalizou a possibilidade de uma elevação antecipada de juros, além da melhora das condições econômicas. A leitura do Fed é de que as condições do mercado de trabalho, observado de perto para os ajustes na condução da política monetária, “se moveram ‘notavelmente’ para mais perto do normal”.

Imobiliárias

Os papéis da Rossi, Gafisa e MRV registraram ganhos de 5,8%, 1,8% e 1,5%, respectivamente no pregão de hoje. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou medidas para facilitar o crédito para compra de imóveis. Entre elas estão a simplificação jurídica, a criação de títulos com isenção de Imposto de Renda e o fortalecimento de garantias.

 

Sinal verde do Cade

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou com restrições, nesta quarta-feira, a troca de ações entre BRF e Minerva, que foi acertada entre as empresas em novembro de 2013. Hoje, os papéis ordinários da BRF fecharam em leve queda de 0,10%. No acumulado de 2014, as ações avançam 18%.

Férias coletivas

Os papéis da MMX registraram perdas de 8,5% nesta quarta-feira. Depois de negar que entraria com pedido de recuperação judicial, a companhia anunciou que irá paralisar temporariamente a produção da unidade de Serra Azul, com férias coletivas de 30 dias para os funcionários envolvidos diretamente na operação, em decorrência dos baixos preços do minério de ferro no mercado internacional.

De cara nova

A ação ordinária da Natura registrou ganhos expressivos pelo segundo dia consecutivo, fechando o pregão com uma alta de 2,4%. No acumulado da semana a alta é de 7,2%. O mercado continua repercutindo a troca de comando da empresa. Alessandro Carlucci deixará a presidência da Natura, após dez anos no cargo. Seu sucessor será Roberto Lima. Lima foi conselheiro de administração da Natura de 2012 a 2014, além de ter passado pela presidência da Vivo. Mais recentemente estava como chairman do grupo de mídia Publicis.