Ibovespa supera 53 mil pontos com expectativas políticas

A sessão também era marcada pelo vencimento do contrato futuro do Ibovespa mais curto e de opções sobre o índice

São Paulo – O principal índice da Bovespa avançava cerca de 2,5% na manhã desta quarta-feira, quando atingiu máxima intradia desde junho de 2015, reflexo de apostas cada vez maiores no impeachment da presidente Dilma Rousseff combinadas com o cenário externo favorável.

A sessão também era marcada pelo vencimento do contrato futuro do Ibovespa mais curto e de opções sobre o índice.

Às 10h34, o Ibovespa subia 2,57%, a 53.337 pontos, com praticamente todas as 61 ações do índice no azul.

Na máxima até o momento, o Ibovespa subiu a 53.620 pontos, maior nível intradia desde junho de 2015.

O volume financeiro era de 1,14 bilhão de reais.

Agentes financeiros repercutiam relatos na mídia no sentido de que a oposição já teria os votos necessários para aprovar o impeachment na Câmara dos Deputados, bem como de que o próprio governo já trabalharia com tal hipótese após novos partidos abandonarem a base aliada na véspera.

Na visão da equipe da H.Commcor DTVM, o destaque, “por enquanto”, na cena política foi o anúncio na véspera da saída do PP da base aliada do governo e entrega dos cargos.

“A indicação é ruim e pode levar a novas debandadas”, avaliam os profissionais, conforme nota a clientes.

Do panorama externo, dados do comércio exterior da China foram lidos como sinais de estabilização daquela economia, endossando percepções de queda nos riscos à economia global e, assim, favorecendo ganhos nos pregões europeus e em Wall Street.

O S&P 500 subia 0,64%.

Em relação ao vencimento do índice futuro na Bovespa, o Credit Suisse destacou em nota a clientes que, “com 110 mil contratos em aberto ainda do de abril temos a impressão que, se não houver rolagem de 30 mil a 50 mil contratos esta manhã, poderemos ver compras de carteira ao longo da tarde – das 14h às 17h”.

Quanto às opções, a equipe da corretora do banco diz que há 12 mil contratos em aberto na “call” (opção de compra) de Ibovespa a 52.000 pontos, 7 mil na de 53.000 e 23 mil na opção de compra do índice a 54.000 pontos.

Destaque 

PETROBRAS tinha as preferenciais em alta de 6,2%, apesar da fraqueza dos preços do petróleo no mercado externo, diante das expectativas ligadas ao cenário político.

BANCO DO BRASIL subia 3%, em linha com o movimento positivo de papéis de bancos, que também segue atrelado a desdobramentos na esfera política.

ITAÚ UNIBANCO avançava 2,1% e BRADESCO ganhava 2,37%, reforçando o viés ascendente do pregão.

VALE mostrava as preferenciais com ganho de 4,79%, acompanhando o avanço das ações de outras mineradoras no exterior, após o preço do minério de ferro à vista na China avançar pelo terceiro pregão seguido, em meio a expectativas de demanda de aço e dados positivos da balança comercial chinesa.

CSN saltava quase 15%, com o setor siderúrgico seguindo na toada positiva da véspera, em meio a perspectivas melhores sobre a demanda de aço na China.

Os papéis também têm beta elevado, logo, costumam oscilar com mais intensidade em relação ao movimento do Ibovespa.