Ibovespa fecha em alta, ajudado por Vale e Petrobras

A Vale foi a principal influência positiva para o índice, após ter acumulado queda de 8 % nos últimos cinco pregões

São Paulo – A Bovespa encerrou a segunda-feira em alta, impulsionada pela recuperação das ações da mineradora Vale e pelo avanço da petrolífera Petrobras na sessão.

O Ibovespa subiu 0,89 %, a 55.654 pontos, segundo dados preliminares. O giro financeiro do pregão foi de 9,7 bilhões de reais, inflado pelo exercício de opções sobre ações, que girou 3,7 bilhões de reais.

Vale foi a principal influência positiva para o índice, após ter acumulado queda de 8 % nos últimos cinco pregões, diante de preocupações com as perspectivas para a economia chinesa.

Segundo o estrategista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi, movimentos de ajustes passaram a dar o tom dos negócios após o vencimento de opções sobre ações no início da tarde.

“Após tanta queda, o preço chega num ponto que começa a atrair comprador”, disse ele.

As ações da petrolífera Petrobras também contribuíram para o avanço da bolsa paulista, após terem recuado pela manhã. Sabesp liderou os ganhos do Ibovespa, enquanto OGX foi destaque na ponta negativa.

Na mínima intradiária, o Ibovespa caiu 0,97 %, em meio a preocupações com a fraca temporada de resultados corporativos e com as perspectivas para a economia brasileira.

“Os resultados das empresas no primeiro trimestre não foram bons, em geral não motivaram as pessoas a comprar ações”, disse o gerente de renda variável da H.Commcor Corretora, Ariovaldo Santos.

O lucro de 320 empresas brasileiras de capital aberto caiu 12,29 % no primeiro trimestre deste ano sobre igual período de 2012, segundo cálculos da Economática.

“Agora o mercado vai ficar ao sabor dos dados econômicos… Mas você não vê o cliente com vontade de comprar ações, porque não há uma perspectiva positiva lá na frente”, acrescentou Santos.

Mais cedo, a pesquisa Focus do Banco Central mostrou que economistas reduziram suas estimativas para o crescimento da economia brasileira neste ano a 2,98 %, após cinco semanas projetando expansão de 3 %.

Além do cenário doméstico, a possibilidade de uma realização mais forte em Wall Street –cujos índices seguem próximos das máximas históricas– trazia cautela aos negócios, já que poderia pressionar ainda mais as ações locais, segundo Santos.

Wall Street iniciou a semana em leve queda, mas os principais índices ainda seguiam perto das máximas históricas.