Goldman Sachs reitera otimismo com ações da Hering

Confira também análises para Hypermarcas, Vale, MMX, Ibovespa, Bic Banco, Telesp, Cielo, Redecard, Log-In, Santos Brasil e Wilson,Sons

São Paulo – Aqui está o que se fala no mercado nesta quarta-feira (22):

1 Goldman Sachs reitera otimismo com ações da Hering

O banco Goldman Sachs reiterou a recomendação de compra para as ações da Hering (HGTX3). O preço-alvo para 12 meses é de 39,40 reais, o que representa um potencial de valorização de 10,6%. No ano, os papéis da varejista de vestuário apresentam uma alta de 32,8%, enquanto o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa brasileira, tem queda de 11,7%.

Segundo Irma Sgarz e Rachel Rodrigues, analistas que assinam o relatório, qualquer fraqueza a ser apresentada nos papéis, como a queda da semana passada, deve ser encarada como uma oportunidade de compra. “Esperamos que as vendas fracas em abril sejam compensadas pelo bom momento criado pelo dia das mães do dos namorados, impulsionando as vendas do segundo trimestre em 31%”, dizem.

O banco afirma que as ações negociadas aos múltiplos de preço sobre o lucro de 20,3 vezes para 2011 e de 14,6 vezes para 2012, a Hering está entre as mais atrativas na relação de risco/retorno no varejo brasileiro. Segundo os analistas, as lojas com o formato infantil, Hering Kids, podem ampliar as projeções para a companhia conforme sejam implementadas.

2 5 razões para acreditar na recuperação da Hypermarcas na bolsa

O acionista da Hypermarcas, ou o que pretende sê-lo, pode ter um futuro mais brilhante do que o visto nos últimos meses. Desde o pico atingido pela ação em outubro do ano passado, as ações HYPE3 já acumulam uma desvalorização de 50%. Os papéis são negociados hoje a 14,61 reais.

A previsão de tempos melhores para a fabricante e detentora de marcas de consumo é do Bank of America Merrill Lynch. O banco tem um preço-alvo de 22,50 reais de 12 meses, o que resulta em um potencial de valorização de 54%. A recomendação é de compra dos papéis.
Os analistas citaram 5 fatores que podem posicionar a Hypermarcas como uma das melhores ações no universo de cobertura do banco nos próximos 12 meses.

3 Ibovespa pode alcançar 71.650 pontos até fim do ano

O principal índice do mercado brasileiro de ações vai subir 17 por cento até o final do ano, com a inflação sob controle e a economia global se recuperando, embora um possível default da Grécia possa deixar investidores apreensivos, segundo uma pesquisa da Reuters.

Profissionais do mercado avaliam que o Ibovespa deve ganhar fôlego no segundo semestre do ano, amparado pela expectativa de que a economia brasileira cresça 4 por cento neste ano e por compras de oportunidades após o mercado acionário acumular queda de 11 por cento desde janeiro.

4 Demanda por minério impulsionará Vale e MMX no segundo trimestre, diz Ágora

Os recentes números do setor siderúrgico mostram aumento da demanda por aço no Brasil e no mundo, e revelam perspectivas positivas às companhias do segmento listadas em bolsa, na avaliação da corretora Ágora.

Em maio, a produção de aço bruto no mundo totalizou 129,9 milhões de toneladas, uma alta de 2,9% em relação ao mês imediatamente anterior e de 4,2% na comparação em 12 meses.

Para a analista Cristiane Viana, este patamar de produção se traduz na continuidade da forte demanda por minério de ferro, contribuindo para o desempenho da Vale (VALE3 e VALE5) e MMX (MMXM3). Ela reiterou a recomendação de compra às ações de ambas as empresas.

5 Ações do BicBanco apresentam ponto de entrada atrativo, diz Santander

O desempenho das ações preferenciais do BicBanco (BICB4), inferior em 17% ao do Ibovespa no acumulado do ano, está criando um ponto de entrada atrativo, acreditam os analistas Henrique Navarro e Boris Molina do Santander. Diante disso, eles introduziram um novo preço-alvo para os papéis da instituição financeira após atualizarem suas projeções.

Ambos os analistas acreditam que a performance dos papéis abaixo do mercado está associada à antecipação por parte dos investidores de um impacto negativo gerado pelas medidas macroprudenciais da indústria na instituição financeira.

Em relatório, eles estabeleceram o preço-alvo de 13,80 reais para cada ação do banco até dezembro de 2012. O valor é inferior frente aos 19 reais anteriormente estimados para o fim de 2011. Apesar disso, a recomendação foi reiterada em comprar.

6 HSBC eleva ação da Telesp, mas não vê sucesso na incorporação da Vivo

A incorporação da Vivo, operadora de telefonia móvel com grande expansão, pela “defasada” e “desafiadora“ Telesp (TLPP4), companhia de telefonia fixa com desempenho abaixo da média do mercado, deve gerar “um bom, mas não grande crescimento” para a nova empresa formada, resultando na “falta de sucesso”, avalia a equipe de pesquisa do HSBC.

Em relatório, os analistas Richard Dineen e Sean Glickenhaus ampliaram o preço-alvo das ações preferenciais da Telesp de 41 reais para 50 reais até o final de 2011, o que representa um potencial de valorização de 9,05% frente à cotação de 45,85 reais registrada no fechamento do último pregão.

O HSBC explica que a “nova Telesp” apresentará um “crescimento modesto” nos próximos dois anos, já que a grande perspectiva de crescimento para a divisão de telefonia móvel é ao mesmo tempo diluída pela expansão estável esperada para a telefonia fixa.

7 Cielo e Redecard reagem após recomendação do Credit Suisse

As ações da Cielo (CIEL3) e Redecard (RDCD3) reagiram nesta quarta-feira a notícia de que o Credit Suisse elevou a recomendação para as empresas. Segundo o banco, o mercado tem superestimado o impacto da entrada de novos participantes no setor de meios de pagamentos.

O Credit Suisse aumentou a recomendação das duas maiores processadoras de cartões do Brasil para desempenho acima da média do mercado (outperform). O analista Victor Schabbel elevou o preço-alvo da Cielo de 39 para 50 reais e de Redecard de 20 para 29 reais. Os novos valores representam um potencial de valorização de 31% e 27% na comparação com o último fechamento.

8 Santander altera projeções para empresas de infraestrutura e logística

Em relatório assinado pelos analistas Caio Dias, Bruno Amorim e Alexandre Amson, o Santander elevou nesta quarta-feira (22) a recomendação para a Santos Brasil (STBP11) de manter para comprar, alterando o preço-alvo de 28 reais em 2011 para 37,50 reais até o fim de 2012.

A Log-In (LOGN3) teve a recomendação elevada de underperform (performance abaixo da média do mercado) para manter. O preço-alvo caiu de 11 reais até dezembro de 2011 para 8 reais até o final do próximo ano.

Já a recomendação para a Wilson, Sons (WSON11) foi reiterada em manter. O preço-alvo introduzido é de 30 reais até o fim de 2012.