Goldman Sachs rebaixa Tenda e ações despencam 28%

Para banco, construtora terá dificuldades para financiar seus projetos

As ações da construtora Tenda despencaram nesta quarta-feira (27/8) na BM&amp;FBovespa depois que o banco de investimentos Goldman Sachs rebaixou sua indicação para os papéis de "compra" para "neutro". Às 14h35, as ações <a href="http://www.investinfo.com.br/abrilexame/Highlights.aspx?acao=TEND3"><strong>(TEND3)</strong></a> eram negociadas a 4,08 reais, desvalorizadas em 23,88%, mas no pior momento do dia os papéis chegaram a cair 27,8%, após já terem perdido 14,24% de seu valor no pregão de ontem.</p>

Na avaliação do Goldman Sachs, a companhia enfrentará nos próximos meses dificuldades para crescer devido à falta de financiamentos para seus negócios.

Há tempos os investidores também se mostram cautelosos em relação à construtora. Desde o início de agosto, os papéis já recuaram mais de 60%, saindo de 10,77 reais para 5,36 reais no último pregão.

O último balanço, divulgado no dia 13 de agosto, não agradou os acionistas. A margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações (Ebitda) ficou em 17% – 15 pontos percentuais acima da registrada no segundo trimestre de 2007, mas abaixo da média de 20% projetada pelo mercado. Com esse resultado, segundo Eduardo Silveira, analista da corretora Fator, a empresa provavelmente não conseguirá atingir sua meta, que é de 25% de margem Ebitda em 2008.

A taxa de cancelamento de venda foi outro ponto que decepcionou. O número caiu de 48% no segundo trimestre de 2007 para 22% neste ano, mas ainda assim ficou acima dos 20% esperados. A construtora afirma que seu objetivo é reduzir ainda mais esse percentual, de forma que ele fique entre 15% e 20% em 2008.