Fitch eleva ratings da Locamerica e elogia plano de alavancagem

Empresa é a segunda maior locadora de frotas do país e realizou o seu IPO na semana passada

São Paulo – A Fitch elevou o rating corporativo em escala nacional da Locamerica (LCAM3) de BBB+ (bra) para A- (bra), com perspectiva estável. A agência de classificação fez a mesma ação para as segunda, terceira e quarta emissões de debêntures da companhia.

Segundo relatório, a elevação da empresa reflete a expectativa de que a oferta pública de ações (IPO) concretizada na semana passada poderá fortalecer a estrutura de capital e liquidez da companhia.

A agência também destacou como positiva a estratégia da Locamerica de reduzir a alavancagem para uma relação entre dívida líquida e ebitda para algo próximo a 2 vezes. Nos últimos três anos, esse nível registrou 3,5 vezes na companhia.

No relatório que tem como principal analista Debora Jalles, a agência destacou também que a estratégia da companhia de implementar maior posição de caixa, entre 80% e 120% da dívida de curto prazo, também é positiva e se torna mais um fator que atenua riscos no curto prazo.

A perspectiva para o rating é estável. Um possível risco que poderia levar as notas ao rebaixamento, segundo a Fitch, é a empresa não usar os recursos captados no IPO para implementar essa estratégia. Se ao invés disso a companhia utilizar os recursos apenas para sua expansão, os ratings podem ser prejudicados, conforme afirma a Fitch. Em sua oferta, a companhia captou cerca de 314 milhões de reais.

Alguma expansão, porém, é esperada e bem avaliada pela Fitch. A agência de classificação afirma que a empresa se destaca no mercado brasileiro, sendo a segunda maior empresa de locação de frotas do país, o que possibilita para a companhia um bom ganho de escala.

Ser forte no país, ao mesmo tempo em que é positivo por esse lado, pode ser um fator que limita a nota. “Como fator restritivo dos ratings, está a exposição da Locamerica a um mercado de forte competição, intensivo em capital e altamente dependente de crédito e de um cenário macroeconômico favorável nas fases de compra e venda de veículos”.