Europa recua com EUA e queda em ações de bancos

Por Álvaro Campos

Londres – A maioria das Bolsas europeias fechou em leve queda, com dados econômicos fracos dos EUA prejudicando os negócios. Além disso, o setor bancário teve um desempenho ruim, pressionado pelos receios sobre as exigências de capital de Basileia 3. O índice pan-europeu Stoxx 600 perdeu 0,57 ponto (0,21%), a 265,68 pontos.

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego subiu 13 mil, para 462 mil, na semana encerrada em 9 de outubro, segundo informou o Departamento do Trabalho dos EUA. Além disso, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) avançou 0,4% em setembro na comparação com agosto. Já o Departamento de Comércio divulgou que o déficit comercial do país aumentou 8,8% em agosto, para US$ 46,35 bilhões.

Em Cingapura, a autoridade monetária decidiu que permitirá uma valorização “levemente” mais acentuada da moeda local em relação ao dólar, medida que pressionou a moeda norte-americana e impulsionou os preços das commodities.

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 20,14 pontos (0,35%), em 5.727,21 pontos. O índice foi prejudicado pelas ações de bancos. O Royal Bank of Scotland perdeu 4,69%, o Barclays recuou 4,13% e o HSBC teve retração de 1,31%. O Lloyds, que pretende cortar 4,6 mil empregos, teve desvalorização de 2,93%.

Estrategistas relacionam as perdas recentes dos bancos às regras de Basileia 3. “Duas coisas parecem claras: as autoridades reguladoras vão exigir um nível de capital Tier 1 significativamente acima de 7% e não vão deixar os bancos se desviarem desse nível nos próximos nove anos”, disseram os analistas da Macquaire Research.

Além disso, as ações em geral estão sendo impulsionadas pelas expectativas de mais medidas de afrouxamento quantitativo nos EUA, mas os bancos não se beneficiam disso. No país, autoridades de todos os 50 Estados divulgaram uma investigação conjunta sobre os procedimentos das empresas em relação à execução de hipotecas. Grandes bancos como o Bank of America e o JPMorgan interromperam essas execuções em alguns Estados após rumores de irregularidades.

“Após um desempenho tão forte ontem, talvez o mercado possa ser desculpado pela queda de hoje”, disse Richard Perry, estrategista-chefe de mercado da Central Markets. “Em qualquer tendência de alta, existe espaço para correções”, acrescentou.

Entre as mineradoras negociadas em Londres, a African Barrick Gold registrou perda de 9,54%, após reduzir sua previsão de produção anual pela segunda vez. Entretanto, o restante do setor foi melhor (Antofagasta +0,92%, Xstrata +3,23%, Randgold Resources +0,84%). A Rio Tinto, que divulgou dados melhores do que o esperado sobre sua produção no terceiro trimestre, subiu 2,39%.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em alta de 20,75 pontos (0,32%), em 6.455,27 pontos, mas bem abaixo da máxima intraday, de 6.485 pontos. Os papéis do Commerzbank perderam 1,59% e os do Deutsche Bank caíram 0,82%. A Bayer subiu 1,24% e a E.ON teve alta de 1,02%. O conglomerado Siemens ganhou 0,89%.

Hoje um grupo de institutos de pesquisa divulgou uma previsão de que a economia alemã vai crescer 3,5% em 2010, em comparação com uma estimativa anterior de 1,5%. Para o ano que vem, a previsão é de uma expansão de 2,0%, acima da expectativa de alta de 1,4%.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em queda de 9,17 pontos (0,24%), em 3.819,17 pontos. O setor financeiro mais uma vez liderou a retração (BNP Paribas -3,17%, Crédit Agricole -1,72%, Société Générale -3,11%). Entre as montadoras, a Renault caiu 2,40%, mas a Peugeot subiu 4,24%. As ações do grupo LVMH, dono das grifes Louis Vuitton e Dior, entre outras marcas, subiram 0,54%, após os dados sobre suas vendas no terceiro trimestre superarem as expectativas.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 16,40 pontos (0,15%), em 10.849,70 pontos. O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, recuou 50,40 pontos (0,24%) e fechou em 21.094,86 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou com perda de 17,29 pontos (0,22%), a 7.755,04 pontos. As informações são da Dow Jones.