Entre Lula e Trump: para onde vai o dólar?

Ontem, a moeda subiu para seu maior nível em dois anos e meio, acima de 3,95 reais, com os investidores cautelosos com a cena eleitoral doméstica

A terça-feira deve trazer uma nova leva de respostas sobre quais fatores serão mais decisivos para a cotação do dólar frente ao real nas próximas semanas. De um lado, as pesquisas eleitorais apontando Lula e Jair Bolsonaro na frente têm levado o câmbio para cima. De outro, o presidente americano, Donald Trump, continua dando declarações que tendem a depreciar a moeda.

Ontem, o dólar subiu para seu maior nível em dois anos e meio, acima de 3,95 reais, com os investidores cautelosos com a cena eleitoral doméstica após a pesquisa eleitoral CNT/MDA mostrar que o candidato que mais agrada ao mercado, Geraldo Alckmin (PSDB), continuava com pequena fatia do eleitorado, bem atrás de outros postulantes. Havia também temores de que o cenário se repetisse na pesquisa Ibope, o que foi confirmado com sua divulgação na noite de ontem.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O dólar avançou 1,10 por cento, a 3,9577 reais na venda, maior nível desde os 4,0035 reais de 29 de fevereiro de 2016. Na máxima da sessão, a moeda foi a 3,9724 reais. O dólar futuro tinha avanço de cerca de 1,15 por cento. O movimento voltou a levantar os temores de que as eleições podem levar a moeda americana para a casa dos cinco reais, como alertou, em junho, Celso Toledo, economista da consultoria LCA e colunista de EXAME.

Toledo relembra que “já estivemos lá”. Em 2002, véspera da eleição de Lula, o dólar custava 7 reais em valores corrigidos. Os temores eleitorais são os mesmos de hoje. “O país está desgovernado e completamente dividido às vésperas de eleições que definirão se a economia será tocada de acordo com o que funciona no mundo ou se embarcaremos novamente em uma aventura populista que terminará em inflação”, escreveu Toledo.

Mas nesta terça-feira o dólar abriu em queda em relação à libra e ao euro após Donald Trump criticar publicamente o Fed, o banco central americano, por aumentar as taxas de juros. Trump afirmou em entrevista que continuará criticando o presidente da instituição, Jerome Powell, se as altas continuarem. Analistas de mercado apontaram a incoerência de Trump dar essas declarações e ao mesmo tempo criticar a manipulação cambial de China e da União Europeia. As declarações que colocam em dúvida a política de juros do país, e a guerra comercial, devem continuar jogando contra a moeda americana.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcia Candido

    Esse cenário ainda deve mudar muito. Com a campanha de TV começando tenho esperança que Alckmin decole e seja nosso próximo presidente.

  2. Aline Ribeiro

    Quando a campanha começar na tv , Alckmin vai disparar com certeza ele é o mais preparado , o que tem mais conteúdo , todos verão que Alckmin é o melhor.

  3. Bruno Santana

    Esses resultados na economia só mostram que o Brasil precisa de Geraldo como Presidente para voltar a crescer!

  4. acredito que depois do dia 30 é que as pesquisas vao retratar a realidade! geraldo vai pro segundo turno! To com ele!