Economia fraca pesa sobre índices europeus

Contudo, os mercados do sul da Europa --classificados por investidores como "periferia"-- saltaram

Londres – Indicadores econômicos fracos pesaram sobre o principal índice de ações europeias no primeiro pregão do ano, mas as perdas foram mitigadas por crescentes expectativas de novas medidas do Banco Central Europeu para estimular a zona do euro.

O índice FTSEurofirst 300, que reúne os principais papéis do continente, caiu 0,39%, a 1.363 pontos.

A necessidade de estímulos para estimular o crescimento na Europa foi salientada por dados fracos sobre a manufatura na zona do euro, divulgados na sexta-feira. Os números mostraram recuo na França e atividade fraca na Alemanha, o que contribuiu para manter o índice francês CAC e o alemão DAX no vermelho.

A manufatura britânica também cresceu em ritmo muito mais fraco do que o esperado em dezembro, o imenso setor manufatureiro da China mostrou fraqueza e houve desaceleração similar nos Estados Unidos.

“Recebemos dados razoavelmente decepcionantes dos EUA, na Ásia, no Reino Unido e na zona do euro, criando renovadas preocupações com a desaceleração do setor manufatureiro globalmente”, disse Myrto Sokou, analista-sênior de pesquisa do Sucden Financial.

Contudo, os mercados do sul da Europa –classificados por investidores como “periferia”– saltaram.

Em entrevista a um jornal alemão, o presidente do BCE, Mario Draghi, reiterou que o banco está pronto para novas medidas, como comprar títulos do governo –o chamado “quantitative easing”– para gerar mais estímulos.

O índice FTSEurofirst 300 fechou em queda de 0,39%, a 1.363 pontos.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,28%, a 6.547 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,42%, a 9.764 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,48%, a 4.252 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,62%, a 19.130 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,69%, a 10.350 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 1,17%, a 4.855 pontos.