Dólar sobe 0,44% em dia de volume mais fraco

O dólar não deve se afastar muito dos atuais níveis, ao redor de 3,30 reais, consolidado após o adiamento da votação da reforma da Previdência

São Paulo – O dólar interrompeu uma sequência de quedas e voltou a fechar em alta ante o real nesta quinta-feira, com o volume de negócios mais esvaziado nesta reta final de 2017 e com investidores evitando tomar novas posições em meio à cautela com a cena política local e reforma da Previdência.

O dólar avançou 0,44 por cento, a 3,3090 reais na venda, depois de marcar a máxima de 3,3184 reais. Nos quatro pregões anteriores, o índice havia recuado 1,26 por cento, mas sem se afastar muito dos 3,30 reais. O dólar futuro subia 0,35 por cento.

“O mercado está mais técnico, com a cena política esvaziada”, afirmou o profissional da mesa de derivativos de uma corretora local.

O dólar não deve se afastar muito dos atuais níveis, ao redor de 3,30 reais, consolidado após o adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro de 2018.

“Esse adiamento pode manter o risco de corte do rating no horizonte dos investidores no começo do ano, trazendo volatilidade aos mercados”, afirmou o diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, conversou com as três principais agências de classificação de risco, mas negou que tenha falado sobre mudanças de rating do Brasil. Ele disse que as conversas com Standard & Poor’s, Fitch e Moody’s foram para atualizar as situações econômica e fiscal do país, além da questão da votação das reformas, particularmente a da Previdência.

O Banco Central concluiu na véspera a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares, de janeiro. Outro vencimento só ocorrerá em abril.

Lá fora, o dólar rondava a estabilidade ante uma cesta de moedas e tinha leve alta ante algumas divisas de países emergentes.