Dólar sobe 0,6% em dia de baixo volume

O volume de negócios era reduzido devido ao feriado do Dia da Independência nos Estados Unidos

São Paulo – O dólar subia ante o real nesta quarta-feira pela segunda sessão consecutiva, um dia após o diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, sinalizar que o BC não estava confortável com cotações abaixo de 2 reais.

O volume de negócios era reduzido devido ao feriado do Dia da Independência nos Estados Unidos, o que deixava o câmbio mais suscetível a variações.

Às 13h03, a moeda norte-americana subia 0,6 por cento para 2,0321 reais. No dia anterior, o dólar fechou em alta de mais de 1 por cento após Mendes afirmar que cotações abaixo de 2 reais podem não ser boas para a indústria brasileira.

O diretor do BC também disse, em entrevista à agência Estado, que a autoridade monetária pode intervir comprando dólares no mercado futuro caso seja necessário.

“Desde a fala de ontem do Aldo Mendes, o mercado ficou propenso a uma alta”, disse o gerente da mesa financeira da corretora H.Commcor, Luiz Henrique de Paula.

“Hoje, por ser feriado lá fora, o volume está baixo. Então se algum player entrar com um fluxo, ou interesse de compra, acaba puxando uma tendência”, acrescentou ele.

A última vez que o BC atuou na ponta compradora, adquirindo dólar no mercado à vista, foi em 27 de abril, quando a moeda era cotada pouco abaixo do patamar de 1,90 real.

Na última semana, por outro lado, o BC interveio de forma contundente na ponta vendedora de dólares, realizando três leilões de swap cambial tradicional, operações que movimentaram o equivalente a cerca de 9 bilhões de dólares no mercado futuro.

As operações, somadas a uma melhora no cenário externo, levaram a cotação da divisa a cair de um nível próximo de 2,10 reais para cerca de 1,98 real.

“A declaração do Aldo Mendes ontem mostrou claramente que o BC errou a mão na semana passada”, avaliou o diretor executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme, referindo-se aos contratos de swap ofertados pela autoridade monetária. “Fizeram mais que o necessário”, emendou.


Para Nehme, o dólar deverá ficar em torno de 2 reais nesta sessão por conta das declarações do diretor do BC.

No exterior, o dólar valorizava-se frente a outras divisas, diante de expectativas de estímulo monetário por parte de bancos centrais pelo mundo. Espera-se que o Banco Central Europeu (BCE) corte sua principal taxa de refinanciamento na quinta-feira para 0,75 por cento, o que seria uma mínima recorde.

Em relação a uma cesta de divisas, o dólar ganhava 0,5 por cento, enquanto o euro recuava 0,6 por cento.