Dólar mira R$1,600 e mercado se prepara para rolagem

São Paulo – O dólar caía para perto de 1,600 real nesta sexta-feira, seguindo o mercado global de câmbio, em meio aos primeiros movimentos de rolagem de contratos futuros que vencem no final do mês.

Às 11h02, a moeda norte-americana recuava 0,68 por cento, a 1,606 real. Em relação a uma cesta com as principais divisas <.DXY>, o dólar caía 0,53 por cento, refletindo especialmente a alta de quase 1 por cento do euro .

Embora permaneçam as preocupações com a dívida da Grécia e de outros países da zona do euro, a moeda comum recuperava terreno após vários dados decepcionantes sobre a atividade econômica nos Estados Unidos nos últimos dias. No Brasil, a proximidade do final do mês –entremeado com o feriado de segunda-feira nos Estados Unidos– dava início aos primeiros movimentos de rolagem de contratos futuros.

“O desejo é que a Ptax (taxa média do dólar) fique para baixo”, disse Alfredo Barbutti, economista-chefe da corretora BGC Liquidez, em referência ao interesse de investidores com posições vendidas na moeda norte-americana.

Dados da BM&FBovespa mostravam posições vendidas de quase 19 bilhões de dólares em dólar futuro e cupom cambial (DDI).

Entre os contratos em vencimento está um lote de 1,655 bilhão de dólares em swap cambial reverso. Se repetir o roteiro do mês passado, o Banco Central vai anunciar após o fechamento do mercado desta sexta-feira uma pesquisa de demanda para verificar as condições de rolagem desses papéis.

A queda do dólar também era favorecida pela perspectiva de entrada de dólares no Brasil, que voltou a ganhar força em maio após um período fraco em abril. O FRA (forward rate agreement) de cupom cambial com vencimento mais curto voltava a ser cotado abaixo de 3 por cento, em níveis mais normais, indicando uma normalização da oferta de dólares no mercado à vista. Em abril, essa taxa chegou a superar 7 por cento.

Entre as operações que atraem dólares ao país estão as captações de empresas como a OGX . Na quinta-feira, a petrolífera completou a venda de 2,56 bilhões de dólares em títulos, acima da intenção inicial de 2 bilhões de dólares.