Dólar interrompe 5 sessões de queda e fecha em alta

A valorização da moeda ajudou a impulsionar as taxas de juros de longo prazo, que recuavam até o começo da tarde, para o território positivo

São Paulo – O dólar interrompeu uma série de cinco sessões de perdas ante o real e fechou em alta nesta quarta-feira, 26, ajudado pelo avanço ante outras divisas ligadas a commodities no exterior e por uma realização de lucros.

A valorização da moeda ajudou a impulsionar as taxas de juros de longo prazo, que recuavam até o começo da tarde, para o território positivo, ainda que o avanço tenha sido bastante pequeno.

Os vencimentos mais curtos fecharam quase estáveis, com o mercado precificando chances majoritárias de a Selic subir 0,25 ponto porcentual no encontro do Copom que termina hoje, após o fechamento dos negócios.

O dólar à vista no mercado de balcão encerrou a sessão com valorização de 0,64%, cotado a R$ 2,3540. O giro financeiro estava em torno de US$ 811 milhões até 16h30. O dólar para março avançava um pouco menos no horário acima, cotado a R$ 2,3550 (+0,45%), com movimento de US$ 18,4 bilhões.

Segundo operadores, o forte recuo do dólar (2,26%) nas últimas cinco sessões desencadeou um movimento de recuperação da moeda, segundo operadores. A busca por segurança no exterior, devido a preocupações com a China e tensões políticas na Rússia, Ucrânia e Turquia, além da briga antes da formação da taxa Ptax na sexta-feira, também ajudaram a dar suporte ao dólar no mercado à vista.

A expectativa majoritária no mercado de juros de um aumento menor da Selic pelo Copom hoje à noite, de 0,25 ponto porcentual, também teria estimulado o avanço do dólar.

O Banco Central informou nesta quarta que fluxo cambial está positivo em US$ 94 milhões em fevereiro até o dia 21. O resultado é fruto de saídas de US$ 1,934 bilhão do segmento comercial e entradas de US$ 2,027 bilhões da área financeira. No acumulado do ano até 21 de fevereiro, o fluxo está positivo em US$ 1,704 bilhão.