Dólar cai mais de 1% e volta a R$ 3,20 após condenação de Lula

Juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente a 9 anos e meio de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo um triplex no Guarujá

São Paulo – O dólar ampliou a queda e já estava no patamar de 3,20 reais após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido condenado, em primeira instância, a nove anos e meio de prisão, deixando-o mais distante das eleições de 2018.

A moeda norte-americana já registrava queda firme desde cedo, com a combinação de mais otimismo no cenário interno –após a vitória do governo com a aprovação da reforma trabalhista– e externo, com apostas de que o banco central norte-americano não vai subir os juros além do esperado.

Às 14:40, o dólar recuava 1,34 por cento, a 3,2097 reais na venda, já tendo batido 3,2073 reais na mínima do dia, menor nível intradia desde de 17 de maio (3,0955 reais), último pregão antes da divulgação de delação de empresários do grupo J&F que atingiu em cheio o presidente Michel Temer. O dólar futuro tinha queda de 1,40 por cento.

“O mercado entendeu que, com a condenação, são menores as probabilidades dele (Lula) se candidatar à Presidência em 2018”, afirmou o diretor da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer.

O juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e meio de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo um triplex no Guarujá, mas não determinou que o ex-presidente seja preso imediatamente.

Antes da notícia, o dólar já vinha caindo frente ao real. Na noite passada, o Senado aprovou a reforma trabalhista, uma das principais matérias no Congresso Nacional da agenda de Temer, denunciado por crime de corrupção passiva e que corre o risco de não terminar seu mandato por isso.

O mercado continuava apostando que, com ou sem o presidente, a agenda de reformas deverá prosseguir, uma vez que a atual equipe econômica poderia continuar mesmo com outro assumindo a Presidência do país. Na linha sucessória, está o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo maia (DEM-RJ).

“O placar de aprovação da trabalhista foi folgado e, embora seja um termômetro pequeno para a aprovação de outras reformas, ajudou no tom positivo”, afirmou mais cedo o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

Da cena externa, ajudava na queda do dólar nesta sessão o discurso da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, pela qual afirmou que não será preciso elevar tanto os juros. Taxas mais altas na maior economia do mundo têm potencial para atrair capital hoje aplicado em outros mercados, como o brasileiro.

O dólar caía ante moedas emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente a oferta de até 8,3 mil swaps cambiais tradicionais –equivalente à venda futura de dólares– para rolagem dos contratos que vencem em agosto. Com isso, já rolou 1,245 bilhão milhões de dólares do total de 6,181 bilhões de dólares que vence no mês que vem.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Célio Azevedo

    Maravilha! Excelente notícia! Obrigado Sérgio Moro!