Dólar cai com exterior e rolagem quase integral de swaps

A perspectiva de rolagem quase integral do vencimento de swap cambial de dezembro contribui para o movimento

São Paulo – O dólar à vista no balcão abriu a sexta-feira, 30, em baixa, acompanhando o sinal negativo da moeda no exterior, onde ocorre uma realização de lucros.

Os ajustes ocorrem após o ganho de força com a sinalização dada pelo Federal Reserve na quarta-feira, 28, de que poderá começar a subir os juros nos Estados Unidos em dezembro.

Além disso, a perspectiva de rolagem quase integral do vencimento de swap cambial de dezembro contribui para o movimento.

Às 9h26, o dólar à vista no balcão caía 0,41%, a R$ 3,8380, depois de ser negociado a R$ 3,8390 na abertura, em baixa de 0,38%.

No mercado futuro, o dólar para dezembro, com maior liquidez, abriu a R$ 3,8650, em queda de 0,53%, e tinha desvalorização de 0,24%, a R$ 3,8760, no horário mencionado.

O dólar perdia força ante o iene, o euro e a maioria das moedas emergentes e relacionadas a commodities numa correção após o Fed.

A indicação do BC dos EUA havia levado a moeda aos maiores patamares desde o início de agosto.

Em relação ao iene, a queda é maior depois de o Banco do Japão (BoJ) manter sua política monetária, sem anúncio de estímulos.

Internamente, o Banco Central anunciou na quinta-feira, 29, a decisão de rolar 96% do vencimento de contratos de swap cambial de dezembro.

Essa rolagem começa na próxima terça-feira, 3 de novembro, quando serão oferecidos 12.120 contratos (US$ 606,0 milhões), entre 11h30 e 11h40.

Se mantiver esta oferta diária até o fim de novembro, o BC vai postergar 218.160 contratos (96,16%).

Outros 8.717 contratos (3,84%) vencerão normalmente, o que exige dos investidores a compra de cerca de US$ 435,9 milhões no mercado para honrar o compromisso com o BC.

A disputa técnica pela formação da última Ptax de outubro, porém, pode trazer volatilidade ao dólar ao longo da manhã.