Dólar cai 0,17% ante real por melhora externa e BC

A moeda norte-americana recuou 0,17 por cento, a 2,0315 reais na venda

São Paulo – O dólar fechou em leve queda ante o real nesta quarta-feira acompanhando um maior otimismo no cenário externo, embora ainda tenha registrado baixa volatilidade e variações modestas diante do receio de atuação do Banco Central.

A expectativa de que a Espanha possa pedir um resgate financeiro, além de indicadores positivos e balanços nos Estados Unidos têm estimulado o apetite por ativos de risco no exterior.

A moeda norte-americana recuou 0,17 por cento, a 2,0315 reais na venda. Ao longo da sessão, o dólar oscilou entre 2,0299 reais e 2,0345 reais.

Segundo dados da BM&F, o volume negociado nesta quarta-feira foi de cerca de 1,708 bilhão de dólares.

“Com expectativas mais positivas sobre a Espanha, os investidores voltaram a abraçar operações de maior risco, saindo do dólar… Mas aqui no Brasil, esse reflexo não acontece na mesma proporção”, avaliou o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

“O mercado não aposta em uma queda maior (do dólar) porque sabe que o BC defende o patamar de 2 reais e até um pouco acima disso… Com isso, continuamos sem grandes operações e variações”, acrescentou.


A última vez que a autoridade monetária interveio no mercado por meio de leilão de swap cambial reverso –operação equivalente à compra de dólares no mercado futuro– foi no dia 5 deste mês, com a cotação em torno de 2,016 reais.

O BC e o governo têm mostrado determinação em defender o patamar de 2,00 reais, visto como um piso informal para a moeda, que tem oscilado principalmente entre 2,00 reais e 2,05 reais pelo menos nos últimos três meses.

Apesar de o mercado ainda continuar engessado com a “sombra” do BC, o dólar tem se desvalorizado aos poucos durante a semana e está voltando a se aproximar do nível de 2,02 reais –operadores não descartam uma atuação da autoridade monetária nos próximos dias caso a divisa norte-americana ameace cair mais.

Desde segunda-feira, o dólar caiu 0,46 por cento ante o real.

Um maior otimismo nos mercados externos tem ajudado nessa desvalorização. Na véspera, a confirmação do rating soberano da Espanha pela agência Moody’s foi vista como um sinal positivo, com a manutenção da expectativa de que o país possa pedir um resgate financeiro.

Resultados trimestrais de companhias norte-americanas também têm impulsionado uma melhora, além de nesta quarta-feira ter sido divulgado que a construção de moradias nos EUA cresceu em setembro em seu maior ritmo em mais de quatro anos, em um sinal de recuperação do setor imobiliário. (Reportagem de Danielle Fonseca; Edição de Frederico Rosas)