Decisão sobre o futuro da Grécia será crucial para os mercados

Em semana marcada pelo feriado no Brasil, líderes na Europa se reúnem em busca de soluções para a crise de dívida pública. Nos Estados Unidos, reunião do Fomc é destaque

São Paulo – A semana compreendida entre os dias 20 e 24 de junho reserva eventos importantes, mesmo com o feriado de Corpus Christi no Brasil, previsto para quinta-feira (23). A reunião de líderes da União Europeia e suas definições devem ditar o rumo dos mercados no decorrer dos próximos dias.

Na segunda-feira (20), os ministros das finanças da Europa se reúnem em busca de uma solução para a crise de dívida pública que afeta diversas nações do Velho Continente, em especial a Grécia. Na quinta (23) e sexta-feira (24) é a vez dos líderes da região se encontrarem.

A primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, se mostrou na semana passada a favor da participação não forçada do setor privado no segundo pacote de ajuda à Atenas. A decisão renovou as esperanças de que a Grécia não deve cometer uma eventual moratória e promoveu o avanço dos principais índices mundiais.

“A Grécia parece ter sido afastada da beira do precipício por ora, mas o temor em relação aos problemas do país e aos riscos de contágio segue elevado. Por isso, merece também destaque na agenda o leilão de títulos na Espanha, previsto para ocorrer na terça-feira”, destaca a equipe de pesquisa do BanifInvest, liderada por Oswaldo Telles.

Ainda na Europa, os investidores acompanham no decorrer da semana a divulgação da ata da reunião mais recente do Banco Central da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês). “A pressão para que a autoridade monetária eleve o juro deve ter diminuído, com os resultados ruins de atividade vistos recentemente no país”, estima a equipe de análise do Banco Fator, liderada por Lika Takahashi.

Reunião do Fomc centra atenções nos EUA

Prevista para quarta-feira (22), a reunião dos membros do Comitê de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve deve atrair os olhos dos investidores para a maior economia do mundo.

Apesar da estimativa de que a taxa básica de juros dos EUA será mantida entre 0% e 0,25% ao ano, a grande expectativa do mercado está no anúncio do fim do programa de compra de títulos de 600 bilhões de dólares anunciado em novembro de 2012 e que deve terminar até o final deste mês.

“Ben Bernanke, presidente do Fed, concederá entrevista coletivas após a reunião do Fomc e poderá comentar sobre a possibilidade da autoridade monetária criar programas adicionais de compras de títulos caso a desaceleração da economia americana se confirme”, lembra o Banco Fator.

No Brasil, dados de inflação e do mercado de trabalho

Apesar da pausa nos mercados prevista para quinta-feira por conta do feriado no Brasil, os investidores por aqui acompanharão no decorrer da semana a divulgação do IPCA-15, referente a junho, e da Pesquisa Mensal de Emprego e dos dados do CAGED, ambos de maio, contendo informações sobre o mercado de trabalho.

Para o IPCA-15, “o mercado espera que o indicador suba entre 0,1% e 0,2%, embora a rápida queda da inflação no varejo, medida tanto pelo IPC-S como pelo IPC-Fipe, sugere que a probabilidade do índice cair para zero não é pequena”, estima o BanifInvest. Já para os dados de emprego, “espera-se que os números mostrem que o mercado segue na trajetória de fortalecimento observada há um bom tempo”, completa.

O Ibovespa, principal índice de ações do mercado brasileiro, terminou o último pregão com variação positiva de 0,29%, aos 61.059 pontos. O índice acumulou perda pela segunda semana seguida, de 2,61%. No mês, o recuo é de 5,51% e, no ano, a queda chega a 11,90%.