CVM diz ver indício de pirâmide na BinaryBit; empresa nega

Órgão enviou comunicado alertando para suposto uso indevido de seu nome em vídeos publicados pela internet

A Comissão de Valores de Mobiliários (CVM), órgão que regulamenta o mercado financeiro, informou nesta terça-feira (20) que comunicou o Ministério Público do Estado de São Paulo sobre indícios de uma possível pirâmide financeira envolvendo a empresa BinaryBit. A companhia, que fornece cursos para formação de traders no mercado financeiro por marketing de relacionamento, negou a informação.

Segundo a CVM, a Polícia Federal também foi informada sobre o uso indevido de seu nome e de seu superintendente geral, Alexandre Pinheiro dos Santos, em vídeos publicados no Youtube. Segundo a CVM, a finalidade era “transmitir aparência de credibilidade para possível esquema de fraude, na modalidade de pirâmide”.

O presidente da empresa, Ricardo Toro, negou a EXAME envolvimento com esquemas do tipo. “Não são verdadeiras as afirmações de que nossa empresa opera como pirâmide, tendo em vista que todos os nossos associados estão com a satisfação plena em relação ao investimento feito”.

A CVM informou, ainda, que em uma das gravações durante evento em Salvador (BA), a empresa teria divulgado a falsa informação de que o membro da autarquia estaria presente. Um segundo vídeo diria respeito a um evento ocorrido em 2012 e que, segundo o órgão, estaria sendo usado indevidamente com legenda falsa alusiva à BinaryBit e ao referido evento em Salvador.

Toro reconheceu a ausência do superintendente no evento, mas afirmou desconhecer que ele não se encontrava na ocasião, após ter confirmado presença. “Pedimos desculpas por divulgação da presença dele no nosso evento sem a ciência do mesmo. Respeitamos o órgão CVM por ajudar a combater empresas fraudulentas”, escreveu em nota. Ele acrescentou que o vídeo publicado não é o canal oficial da empresa.

Em comunicado, a CVM alertou para, caso o consumidor receba proposta de investimento por parte da empresa ou de qualquer representante, entre em contato com o órgão pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC).

Com cinco meses de atividades, a BinaryBit afirma oferecer um modelo diferente de outras empresas do mercado. Segundo Toro, o investidor pode sacar sua rentabilidade todos os dias e sem taxas. A empresa diz ter atraído 60 mil afiliados no período e chegou a realizar uma convenção em um estádio de futebol.

O software (robô) usado pela empresa, segundo Lima, tem feito acertos acima de 70%, o que segundo ele torna o negócio “diferente do que se encaixa em ‘pirâmides’ ou qualquer esquema que proíbe o investidor de sacar seu capital e cobrar taxas abusivas”.

Segue o posicionamento oficial do presidente da empresa, Ricardo Lima:

Desde o início da nossa empresa, prezamos pelo respeito, segurança e transparência, diversas vezes, mostrando as nossas operações, operamos ao vivo, mostramos que realmente operamos e nenhum dia sequer deixamos de honrar nossos compromisso com os nossos membros.

Na terça-feira, 13 de julho, recebi através da minha equipe a presença de algumas Autarquias que confirmaram presença na nossa Convenção: 1 representante do Ministério Público da Bahia, 1 Representante do COAF (hoje Unidade de Inteligência Financeira) e 1 Representante da CVM, e dessa forma, anunciamos a presença destes, no sábado, 17 de agosto, tivemos todas as presenças confirmadas presentes, exceto o representante da CVM. Ao procurar me informar, após a ausência, soube que ele não estava ciente ou que não sabia da existência de tal evento ou que não iria comparecer a nossa convenção. Respeitamos o Sr. Superintendente Geral Alexandre Pinheiro dos Santos e pedimos desculpas por divulgação da presença dele no nosso evento sem a ciência do mesmo. Respeitamos o órgão CVM por ajudar a combater empresas fraudulentas.

Não são verdadeiras as afirmações que nossa empresa opera como pirâmide, tendo em vista que todos os nossos associados estão com a satisfação plena do seu retorno em relação ao investimento feito conforme declaração assinada por milhares de nossos afiliados e que será protocolada no Tribunal de Justiça da Bahia e também levaremos ao Banco Central. Neste tempo de existência, nós nunca precisamos nos promover através de qualquer órgão, cargo ou pessoa que não esteja, de fato, trabalhando junto conosco e não seria agora que faríamos.

Vale ressaltar também que o YouTube e o site da convenção que consta na nota da CVM não é canal oficial da BinaryBit.