Conselho e presidente da Bolsa elogiam novo CEO da B3

Gilson Finkelsztain tem qualidades para tocar a nova empresa, resultado da fusão entre a Bovespa e a Cetip, segundo membros do conselho

São Paulo – A escolha do nome de Gilson Finkelsztain para assumir a B3, empresa fruto da fusão entre a BM&FBovespa e Cetip, contou com o apoio de Edemir Pinto, diretor presidente da companhia e o entendimento foi de que o executivo, até quarta-feira presidente da Cetip, reúne as qualidades para o novo desafio, de conduzir a nova companhia, disse nesta quinta-feira, 30, o vice-presidente do Conselho de Administração da B3, Antonio Quintella.

Ele afirmou ainda que a chapa do Conselho de Administração da companhia, apresentada na quarta-feira ao mercado, reúne talentos e traz, ainda a presença de dois acionistas minoritários, conforme antecipou a Coluna do Broad. “Esperamos que eles sejam muito ativos, como são os conselheiros da bolsa”, disse.

Dos minoritários, estão na chapa Florian Bartunek, da Constellation, e Guilherme Affonso Ferreira, hoje conselheiro da Petrobras e da gestora Teorema.

Segundo Quintella, Pedro Parente, presidente do Conselho da companhia, não pode comparecer nesta quinta na entrevista coletiva à imprensa por conta de evento assumido previamente.

Após quase um ano do anúncio ao mercado da fusão, BM&FBovespa e Cetip obtiveram na semana passada todos os avais regulatórios. A operação cria uma companhia de mais de R$ 45 bilhões em valor de mercado e que unirá sob o mesmo guarda-chuva o mercado de renda fixa e variável.