Confirmação de troca na Petrobras renova fôlego do Ibovespa

O movimento tem respaldo nos ganhos acima de 6% da ações da estatal, mesmo que ontem os papéis já tenham subido 15%

São Paulo – A Bolsa brasileira acelerou a alta que deu o tom à abertura, já tendo cruzado a fronteira dos 49 mil pontos na primeira meia hora de negócios. O movimento tem respaldo nos ganhos acima de 6% da ações da Petrobras, mesmo que ontem os papéis já tenham subido 15%, o maior avanço em 15 anos.

Há pouco, houve a oficialização da saída da presidente Graça Foster e de cinco diretores da estatal, como se especulava na véspera. Outra blue chip, Vale, também avança assim como as siderúrgicas e o setor financeiro. Às 10h26, o Ibovespa avançava 1,22%, aos 49.588,01 pontos.

A mudança na diretoria da Petrobras reforça as compras das ações da estatal, ainda que o mercado tenha ciência de que tal medida estaria longe de resolver todos os problemas da empresa.

Uma nova diretoria será eleita em reunião do conselho de administração na próxima sexta-feira, dia 06 de fevereiro. A informação também repercutiu no mercado de juros futuros, favorecendo alívio nas taxas mais longas.

O mercado agora especula sobre os nomes que o governo está cogitando para substituir a presidente Graça Foster e a percepção é de que será alguém com pulso firme para resistir a interferências políticas, possivelmente um executivo vindo do mercado financeiro.

Segundo avaliação do Bank Of America Merrill Lynch, a mudança da diretoria pode facilitar a transição da empresa para um ciclo pós-escândalo e deve ser bem recebida pelos órgãos reguladores no Brasil e Estados Unidos. Já o Deutsche Bank vê uma eventual troca como “forte sinal” de mudança na governança.

Às 10h25, Petrobras ON disparava 6,44% e a PN, 7,00%, relegando a queda de mais de 2% nos preços do petróleo no exterior.

Vale ON e Vale PNA subia 0,48% e 0,50%, respectivamente, en quanto Usiminas PNA avançava 1,97% e CSN ON, +2,88%. Na China, um dos maiores consumidores do mundo de minério e aço, o Banco do Povo (PBoC, na sigla em inglês) anunciou uma série de cortes nas taxas de depósitos compulsórios do país, em decisão que libera centenas de bilhões de yuans para o sistema financeiro.

O PBoC disse que cortará os compulsórios em 50 pontos-base, com uma redução de 0,5 ponto porcentual extra para certas instituições financeiras de menor porte.