Compra de parte da SEB por Pearson impulsiona ações

São Paulo – O grupo editorial britânico Pearson fechou a compra do sistema de ensino e de parte dos ativos do Sistema Educacional Brasileiro (SEB), mais do que dobrando o tamanho de seus negócios em educação no Brasil.

A transação ocorre em meio ao movimento de consolidação no setor privado educacional brasileiro, com grupos apostando no ingresso de mais estudantes no ensino superior, graças ao aumento da renda média da população e à demanda cada vez maior por mão de obra qualificada no país.

A Pearson vai adquirir os sistemas de ensino COC, Pueri Domus, Dom Bosco e Name, além de gráfica, operações de logística e o portal educacional Klick Net, e fornecerá tecnologia para as escolas que pertencem à SEB num contrato de sete anos, informaram as companhias nesta quinta-feira.

O desembolso total pela Pearson será de 888 milhões de reais, sendo 613,3 milhões de reais pela fatia dos controladores e o restante aos minoritários da SEB.

O acordo firmado entre as partes prevê uma reorganização societária para separar os ativos que serão transferidos à Pearson daqueles que ficarão com os atuais sócios da SEB.

Como a operação com a Pearson não envolve a venda de toda a SEB, a Oferta Pública de Aquisição (OPA) obrigatória pelas ações da empresa em circulação na Bovespa será em duas etapas.

A Pearson pagará 22 reais por unit da SEB nas mãos dos minoritários. O valor leva em conta os ativos que o grupo britânico está comprando.

Restarão 31 escolas de educação básica e pré-vestibular no que será chamada de “Nova SEB”, pela qual os atuais controladores do grupo brasileiro se dispõem a pagar outros 9 reais por unit aos minoritários. Assim, o preço total oferecido aos minoritários será de 31 reais por unit, um prêmio de 57,4 por cento sobre o fechamento do papel na quarta-feira.

Diante disso, as units da SEB –cada uma composta por uma ação ordinária e seis preferenciais– exibiam forte alta, com valorização de 46,2 por cento às 13h55, a 28,80 reais. As units das rivais Anhanguera Educacional e Kroton Educacional avançavam na esteira, com ganho de 5,4 por cento e de 9 por cento, respectivamente.


Em maio, a Pearson vendeu sua empresa de dados financeiros Interactive Data por 3,4 bilhões de dólares para liberar capital com objetivo de investir em mercados emergentes.

A Pearson estima o mercado de material educacional do Brasil em 2 bilhões de dólares e espera que a divisão de sistemas de educação SEB gere receitas de cerca de 160 milhões de reais em 2010 e que mantenha rápido crescimento.

A família Zaher detém, direta e indiretamente, 90 por cento das ações com direito a voto da SEB e quase 70 por cento do capital total da empresa.

A expectativa é que a operação entre Pearson e SEB seja concluída em até 60 dias.

Consolidação

O setor privado de educação no Brasil passa por intenso processo de consolidação. A própria SEB fez 10 aquisições de maio de 2008 a outubro de 2009, totalizando perto de 160 milhões de reais. A maior foi a compra do Grupo Dom Bosco, de Curitiba, por 94,5 milhões de reais.

Em entrevista à Reuters no final da semana passada, o ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que não vê riscos para a qualidade do ensino diante de tais movimentos. Ele destacou que não há barreiras de entrada no setor brasileiro de educação.

“O papel do ministério é avaliar os cursos e tomar as providências regulatórias quando o caminho escolhido por uma instituição não lhe parecer o mais adequado do ponto de vista da qualidade”, afirmou Haddad.