Chinelos de Gisele ajudam Grendene a bater concorrentes

Os papéis da empresa mais que dobraram nos últimos 12 meses para R$ 21,06, em comparação com um retorno médio de 23 por cento para 24 produtores mundiais de calçados

São Paulo- A Grendene SA, fabricante de calçados que tem uma linha de chinelos com o nome da supermodelo Gisele Bundchen, acumula a maior alta do setor em todo o mundo. A demanda pelos produtos resiste ao desaquecimento da economia brasileira e impulsiona as ações.

Os papéis da empresa mais que dobraram nos últimos 12 meses para R$ 21,06, em comparação com um retorno médio de 23 por cento para 24 produtores mundiais de calçados.

A lista inclui a brasileira Arezzo & Co., a americana Skechers U.S.A. e a alemã Puma SE. A disparada dos papéis da Grendene supera a alta de todos os membros do índice small cap da BM&FBovespa e o Ibovespa perdeu 17 por cento no período.

Apesar de a alta ter levado os múltiplos da Grendene ao maior nível em cinco anos, a ação ainda está barata em comparação com o que é considerado normal para o setor.

Para a Hermes Emerging Markets e para o Banco do Brasil SA, isso é um sinal de que o ciclo de valorização ainda não chegou ao fim.

A ação da Grendene, sediada em Sobral, no Ceará, é negociada a 14,8 vezes a estimativa para lucros, contra uma média de 24,9 vezes para seus pares mundiais e 20,5 vezes para 81 empresas brasileiras de consumo.

“As ações ainda oferecem bom espaço para alta em relação a outros nomes de consumo no Brasil”, disse Samir Patel, que ajuda a administrar cerca de US$ 900 milhões em ativos, incluindo ações da Grendene na Hermes em Londres, em resposta enviada por e-mail em 14 de março.

A assessoria de imprensa da Grendene não respondeu aos pedidos de entrevista feitos por e-mail e telefone.