China abre mais seu mercado de títulos, mas preocupação se mantém

Medidas podem potencialmente ajudar a China a conseguir a inclusão em índices globais de títulos

Hong Kong / Xangai – A ação da China para abrir seu mercado de derivativos a investidores estrangeiros pode ajudar a conter a saída de capital, mas preocupações com o controle estão mantendo investidores cautelosos.

As autoridades redobraram os esforços para atrair investidores estrangeiros e aumentar o fluxo de entrada no mercado de títulos após o relaxamento das regras sobre o investimento estrangeiro.

Tais medidas podem potencialmente ajudar a China a conseguir a inclusão em índices globais de títulos, mas investidores dizem que a acessibilidade ao mercado e preocupações com a estabilidade do iuane podem impedir o fluxo de entrada.

“Não gostamos do aspecto de falta de clareza sobre o potencial para tirar o capital de novo do país”, disse Maurice Meijers, presidente executivo da Robeco, uma empresa de gerenciamento de ativos na Holada.

“Parece ser o momento errado para se envolver. A menos que esse mercado realmente comece a se tornar parte dos índices referenciais, continuará assim por algum tempo e não vejo grandes investidores entrando.”

As apostas são grandes. O Standard Chartered estimou que o valor de títulos internos pode subir para 82 trilhões de iuanes (11,93 trilhões de dólares) até o final deste ano contra 64,3 trilhões no fim de 2016.

Mas o investimento estrangeiro tem sido baixo. Até o final do ano passado, estrangeiros detiam apenas 870 bilhões de iuanes em títulos no mercado chinês, um aumento de 83,4 bilhões de iuanes sobre o ano anterior, informou a Administração Estatal de Câmbio.