CEO diz que vai parar de perder tempo no Twitter e ações disparam

Com tantos interesses, a preocupação dos investidores sobre a atenção de Maezawa dada aos negócios faz sentido

O empresário e bilionário japonês Yusaku Maezawa, dono de uma empresa de comércio eletrônico, disse que iria sair do Twitter por um tempo. Como consequência, as ações da companhia foram às alturas. Em uma tarde, as ações da Zozo Inc, sua empresa de comércio eletrônico, subiram 7%.

“Vou focar no meu negócio principal. Meu desafio continua. Vou alcançar resultados a qualquer custo. Por favor me deixem tirar um tempo e ficar fora do Twitter”, escreveu ele.

A alta foi um alívio para a ação, que acumulou queda de 17% nos quatro dias anteriores. Os investidores estavam desanimados com a última previsão do presidente, que projetou que a empresa deverá sentir uma queda no lucro no próximo ano fiscal. Seria a primeira queda no lucro desde que a companhia se tornou pública, em 2007.

A empresa sofreu com as últimas coleções de roupas e com descontos oferecidos em seu site. O alívio foi temporário e, desde então, as ações já retomaram o valor anterior.

O que motivou os investidores foi a promessa do presidente de se focar no trabalho. Nos últimos anos, o bilionário perseguiu diversos interesses, de artes a viagens espaciais.

O empresário já havia causado grandes repercussões com seu uso da rede social antes. Ele é o autor do tweet mais compartilhado de todos os tempos. Em janeiro, ele usou sua conta para anunciar que daria 100 milhões de ienes (ou 923 mil dólares) para 100 seguidores aleatórios.

Feita depois que seu site Zozotown anunciou vendas de 10 bilhões de ienes na promoção de ano novo, a publicação foi compartilhada 5 milhões de vezes.

Maezawa é o 18° mais rico do Japão, com fortuna avaliada em 1,8 bilhão de dólares, segundo a Forbes.

Sua fortuna é aplicada em extravagâncias como compras de obras do pintor neo-expressionista e grafiteiro norte-americano Jean-Michel Basquiat, em 2016 e em 2017. Em apenas uma peça, chegou a desembolsar 110,5 milhões de dólares. Em 2012, o empresário japonês criou a Contemporary Art Foundation (Fundação de Arte contemporânea) e anunciou que pretende construir um museu em Chiba, sua cidade natal.

A arte sempre esteve presente em sua vida. Antes de se tornar empresário, ele teve uma breve carreira como skatista e como músico punk.

Em 1998, criou a Start Today, inicialmente um negócio para a venda de álbuns e CDs pelo correio, muitos dos quais ele acumulou como colecionador. Em poucos anos, a empresa passou a vender também roupas e abriu capital na bolsa de Tóquio. Ele detém 38% da companhia.

Mas sua maior aposta na arte está na lua. Ele será o primeiro civil a voar na viagem inaugural da SpaceX, empresa de viagens espaciais de Elon Musk. O foguete deve ficar pronto em 2023.

Maezawa irá viajar com seis artistas, que devem produzir peças inspiradas na lua. O passeio irá durar cerca de uma semana, ida e volta, e não irá pousar no satélite natural.

O valor da passagem não foi divulgado, mas Musk afirmou que não é irrelevante. Para desenvolver o foguete, a empresa de Musk deve investir algo entre 2 e 10 bilhões de dólares e o empresário deve contribuir com um valor ainda não definido.

Com tantos interesses, a preocupação dos investidores sobre a atenção de Maezawa dada aos negócios faz sentido.