BRIC perde pela 2ª vez na década com recuperação dos EUA

Índice MSCI World, com papéis de 24 países, subiu 6,1% desde o começo do ano, e o MSCI Emerging Markets perdeu 2,7%

Hong Kong/Nova York – As ações nos mercados desenvolvidos estão mostrando a maior valorização desde 1998 enquanto os emergentes caem, num sinal de que os Estados Unidos estão voltando ao seu papel de motor do crescimento mundial, ajudados pela recuperação na Europa.

O índice MSCI World com ações de 24 países subiu 6,1 por cento desde o começo do ano até ontem, o melhor início de ano em 13 anos. Já o índice MSCI Emerging Markets de papéis como os brasileiros, russos, indianos e chineses perdeu 2,7 por cento.

As ações de mercados emergentes superaram os papéis de países desenvolvidos em todos os anos da última década, com exceção de 2008. Agora elas caem com os esforços para combater a inflação no Brasil, Rússia, Índia e China. A Thornburg Investment Management Inc. e o Barclays Plc esperam ganhos maiores para ações em mercados desenvolvidos após a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Nicolas Sarkozy se comprometerem a evitar uma desintegração do euro e depois que o Federal Reserve começou a comprar US$ 600 bilhões em títulos do Tesouro para estimular o crescimento.

“Você se sente mais motivado a assumir risco com ações de mercados desenvolvidos”, disse William Fries, que administra US$ 26,7 bilhões no fundo Thornburg International Value Fund, que superou em 92 por cento seus pares desde 2006. “Não houve um grande volume de recursos fluindo para mercados desenvolvidos nos últimos dois anos, e isso está começando a mudar.”

Crise financeira asiática

A última vez que o índice de países desenvolvidos superou o dos emergentes por essa margem num início de ano foi em 1995. Ele teve ganhos de 47 por cento nos três anos seguintes, e o índice de nações emergentes caiu 4,2 por cento até o final de 1997, após a crise financeira da Ásia.

O MSCI World perdeu para o índice dos emergentes por uma media de 16 pontos percentuais nos anos desde 2001. Durante a crise financeira, ele se comportou melhor, com uma perda de 42 por cento contra a baixa de 54 por cento dos emergentes em 2008.

Os investidores estão apostando que os EUA, com Produto Interno Bruto que é quase três vezes maior do que a China e o Japão, deverá conduzir o crescimento econômico global.

Diferença de inflação

A diferença da inflação entre os mercados desenvolvidos e emergentes é mais evidente em mercados acionários. A cesta de inflação do Morgan Stanley com 77 empresas dos EUA subiu 24 por cento desde 15 de outubro, data em que a instituição com sede em Nova York criou o índice. A cesta inclui empresas de energia e de matérias-primas, que devem ser beneficiadas por preços mais altos. O índice de ações S&P 500 subiu 14 por cento desde então.

Produtoras de petróleo, gás natural e carvão que fazem parte do MSCI Emerging Markets subiram 2 por cento este ano até ontem. No mesmo período, o índice MSCI World Energy subiu 11 por cento.