Braskem pega carona da Mexichem no mercado de dívida

Companhia petroquímica deve agradecer à rival mexicana Mexichem SAB pelo desempenho de seus papéis no mercado de renda fixa

Nova York – A fabricante de produtos petroquímicos Braskem SA deve agradecer à rival mexicana Mexichem SAB pelo desempenho de seus papéis no mercado de renda fixa, o que levou o custo de sua dívida à mínima histórica.

O rendimento dos títulos da Braskem com vencimento em 2022 caiu 0,39 ponto percentual, para 4,81 por cento desde que a Mexichem começou a negociar a venda de dívida para investidores, em 10 de setembro, seis vezes a queda média dos papéis de dívida das empresas de mercados emergentes, segundo dados compilados pela Bloomberg e pelo JPMorgan Chase & Co. A Mexichem vendeu US$ 750 milhões em títulos de 10 anos com taxa de 5 por cento e US$ 400 milhões em papéis de 30 anos com taxa de 6,75 por cento em uma oferta que teve demanda de US$ 17,5 bilhões, segundo uma pessoa próxima à operação.

A Braskem, cuja dívida tem classificação de risco um grau acima da Mexichem, segundo a Moody’s Investors Service, está se beneficiando da demanda crescente por papéis de alto risco, após a decisão do banco central americano, em 13 de setembro, de promover uma terceira rodada de relaxamento monetário, conhecida como QE3, para reativar a economia. O rendimento dos papéis de 10 anos vendidos pela Mexichem caiu 39 pontos-base na semana passada, para 4,61 por cento, abaixo de papéis de dívida da Braskem com prazo similar.

“A maior parte disso foi um ajuste de mercado, com agentes reprecificando a Braskem em função do desempenho da Mexichem”, disse Alfredo Viegas, diretor-gerente de mercados emergentes da Knight Capital Group Inc., em entrevista por telefone de Nova York. “A Mexichem ultrapassou a Braskem não devido a nenhum fundamento particular pela Mexichem em si. É apenas uma relação entre oferta e demanda no mercado, e o mercado sendo muito bem precificado em geral.”

A Braskem não quis comentar.