Bovespa sustenta alta apesar de dia ruim em Nova York

São Paulo – Os mercados financeiros internacionais tinham mais um dia negativo nesta quinta-feira, depois que uma nova rodada de dados macroeconômicos fracos nos Estados Unidos realimentou temores sobre a força da recuperação global.

Mas os ativos domésticos mostravam alguma resiliência, com a Bovespa em leve alta e o dólar em baixa ante o real. No segmento de renda fixa, os juros futuros oscilavam perto da estabilidade num dia de noticiário local escasso.

A alta em alguns papéis recentemente golpeados, como os do Pão de Açúcar , permitia à bolsa algum alívio após o tombo da véspera.

As blue chips Vale e Petrobras , contudo, exerciam a maior influência negativa no Ibovespa, reagindo à fraqueza nas matérias-primas em meio a preocupações de demanda.

A cautela de investidores tinha suporte em novos dados sugerindo debilidade na recuperação norte-americana.

Os pedidos iniciais do auxílio-desemprego caíram na semana passada menos que o previsto, levando o número a uma taxa anualizada a 422 mil, acima dos 415 mil previstos. Também a produtividade não agrícola cresceu no primeiro trimestre menos que nos três meses imediatamente anteriores.

As principais bolsas de valores em Nova York ampliavam as perdas registradas na véspera. O índice europeu FTSEurofirst 300 fechou no menor patamar em uma semana, mesmo com algum alívio nas preocupações com a crise de dívida no continente.

Uma autoridade do governo grego disse que o país pretende apresentar um novo plano de austeridade fiscal na sexta-feira, depois de na véspera a Moody’s reduzir a nota e aprofundar o grau especulativo da dívida do país citando até mesmo a possibilidade de uma moratória.

O plano orçamentário incluirá uma aceleração da privatização e 6,4 bilhões de euros em contenções de gastos públicos e aumentos de impostos para reduzir o montante de dívida grega, disse a autoridade à Reuters.

A notícia dava algum alento ao euro, que atingia a máxima em um mês ante o dólar. A moeda norte-americana, por sua vez, recuava ante uma cesta de divisas.