Bovespa abre sem rumo definido

Os números mistos sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos não conseguiram definir uma direção firme para a bolsa

São Paulo – Os números mistos sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos não conseguiram definir uma direção firme para a abertura da Bovespa nesta sexta-feira, após a criação de menos postos de trabalho que o esperado em abril, com respectiva queda da taxa de desemprego. O payroll de março foi revisado em alta. Em meio aos dados, o mercado doméstico segue se ajustando às alterações no cálculo do rendimento da poupança, caso a taxa básica de juros (Selic) caia a pelo menos 8,5% ao ano. Já na Europa, as atenções estão voltadas para as eleições que ocorrem no domingo na França e na Grécia. O Ibovespa abriu em queda de 0,24%, abaixo dos 62 mil pontos.

Os EUA informaram nesta sexta-feira que foram abertas 115 mil vagas de emprego no mês passado, abaixo da previsão de criação de 168 mil postos. O dado sobre a abertura de postos de trabalho em março foi revisado para cima, com alta de 154 mil novas vagas, de uma leitura original de +120 mil empregos. A taxa de desemprego, por sua vez, caiu de 8,2% para 8,1%, contrariando a previsão de estabilidade.

Já na Europa, o sinal negativo prevalece, com os investidores apreensivos antes das eleições que definem os rumos do poder na França e na Grécia a partir da próxima segunda-feira.

Internamente, os investidores ajustam seus negócios ao gatilho anunciado ontem pelo governo brasileiro para reduzir o ganho das cadernetas de poupança a partir de hoje, o que permite a continuidade do processo de redução da Selic. “Esse movimento é o mais recente na luta do governo em baixar juros, abrindo cada vez mais espaço para uma queda da Selic abaixo até mesmo dos 8,25%. Patamar impensável há três meses atrás”, afirma, em relatório, o analista da Um Investimentos, Eduardo Oliveira.

Porém, um operador da mesa de renda variável de uma corretora paulista pondera que, apesar de o mercado já trabalhar com o juro básico em níveis historicamente baixos, “a Bolsa não anda”.

Na avaliação dele, os investidores estrangeiros podem estar aguardando uma valorização ainda maior do dólar, o que tornaria a Bolsa mais barata em moeda estrangeira, para assumir mais risco em ações brasileiras. “Ou, o ‘gringo’ pode estar projetando um cenário de piora da inflação, que domesticamente ainda não se vislumbra”, completa. O profissional também comenta que o mercado não vê com bons olhos a maior ingerência que vem sendo exercida pelo governo brasileiro.

A safra de balanços traz como destaque os números da Gol, que anunciou prejuízo líquido de R$ 41,4 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo lucro líquido apurado no mesmo período de 2011, de R$ 69,4 milhões. O prejuízo foi menor que o previsto por analistas, que esperavam perdas de R$ 50,48 milhões no período.

Em tempo: a Bolsa divulgou nesta manhã a terceira prévia da carteira teórica do Ibovespa, válida para maio a agosto de 2012, que não trouxe novidades e manteve as 68 ações que constam atualmente no principal índice da Bolsa paulista.