Bovespa abre em queda com alerta sobre EUA

São Paulo – A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu o dia em queda, após a agência de classificação de riscos Moody’s alertar ontem sobre um possível rebaixamento no rating (nota) soberano dos Estados Unidos, que ainda têm a classificação máxima. Nesta manhã, os dados econômicos norte-americanos anunciados não apontam para uma única direção, o que alimenta a perspectiva de grande volatilidade ao longo do dia. Às 10h11, o índice Bovespa (Ibovespa) tinha baixa de 0,15%, aos 60.579 pontos.

Na opinião de especialistas em renda variável, apesar do forte avanço da véspera (1,62%), os investidores não fizeram as pazes com a Bovespa. Ainda que haja espaço para um avanço dos negócios locais, as incertezas sobre a saúde financeira dos países na Europa e, agora, nos EUA, não permitem uma melhora mais consistente.

Ontem, os mercados já estavam fechados no Ocidente, quando a Moody’s anunciou a colocação do rating Aaa dos EUA em revisão, para possível rebaixamento. O motivo, segundo a agência, é a possibilidade de o limite de endividamento do governo federal não ser elevado levando o país a declarar default (não pagamento) de suas obrigações de dívidas.

Porém, o “lembrete oportuno” da agência de classificação de risco parece não assustar Wall Street, que se sustenta no campo positivo, com os investidores não querendo nem pensar nas possíveis consequências, caso o Congresso norte-americano não chegue a um acordo em breve. Já o dólar perde terreno para as principais moedas rivais, inclusive o euro, mas mesmo assim não embala as commodities (matérias-primas) em geral.

Nesta manhã, os EUA informaram que as vendas no varejo subiram 0,1% em junho, contrariando a previsão de queda de 0,2%. O aumento das vendas no mês passado seguiu-se ao declínio em maio, revisado agora para uma alta de 0,1%. Do lado da inflação, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) norte-americano caiu 0,4% em junho ante maio, na primeira queda do índice em um ano e acima da previsão de baixa de 0,2%. O núcleo do PPI, por sua vez, subiu 0,3% em junho, no sétimo avanço mensal consecutivo. Já no campo do emprego, o número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego recuou 22 mil, para 405 mil, acima da previsão de baixa de 3 mil solicitações.

No Brasil, especulações sobre possíveis aumentos nas taxações dos derivativos para conter os movimentos no câmbio aumentam as pressões sobre o mercado local. O noticiário corporativo, principalmente envolvendo as grandes corporações Brasil Foods e Pão de Açúcar, também devem agitar o pregão, após o desfecho societário em que ambas as companhias estavam envolvidas.