Bovespa abre em alta, mas aguarda payroll dos EUA

Antes dos dados do relatório oficial do mercado de trabalho norte-americano, a bolsa deve operar com pregão morno

São Paulo – A primeira meia hora de pregão da Bovespa deve ser morna, com os negócios definindo a direção para o dia somente após a divulgação do relatório oficial do mercado de trabalho norte-americano (payroll) em dezembro, às 11h30. Se os números confirmarem a recente sinalização de melhora do emprego nos EUA, o sinal positivo que predomina nos mercados internacionais deve se fortalecer e assim permanecer até o final. Do contrário, a bolsa pode dar continuidade à realização de lucros iniciada ontem, comprometendo a performance na semana. Às 11h10, o Ibovespa subia 0,55%, aos 58.870,19 pontos.

“Os mercados vão esperar o payroll e depois decidem o rumo”, resume o chefe da mesa de renda variável de uma corretora paulista. Para ele, quem vai ditar o ritmo do pregão hoje é o relatório de emprego nos EUA, uma vez que, apesar de a Europa seguir como uma fonte inesgotável de preocupações, os mercados por lá não estão pressionando os negócios (para baixo). Por isso, ele acredita que a Bolsa deve seguir mais “colada” ao desempenho em Wall Street.

Internamente, o IBGE acabou com o suspense sobre o não cumprimento do regime de metas de inflação pelo Banco Central, ao anunciar um IPCA de 0,50% em dezembro, o que deixou o dado no acumulado de 2011 em 6,5%. O número representa o teto da meta para a inflação oficial no País, cujo centro é de 4,5%, com margem de tolerância de dois pontos porcentuais (para cima ou para baixo).

Tanto o dado do mês passado quanto o do ano passado ficaram dentro das estimativas dos analistas consultados pelo AE Projeções, mas ambos situaram-se abaixo da mediana projetada.

Para o analista da Um Investimentos Eduardo Oliveira, o fato de o IPCA ter ficado abaixo das estimativas do mercado financeiro e de ter fechado o ano passado no limite superior do teto da meta de inflação pode trazer algum alívio às ações de empresas dos setores de consumo, construção civil e financeiro. Ele acredita que o mercado acionário doméstico deve andar mais leve rumo à uma recuperação, com chances de encerrar a semana com valorização e fazer frente à renda fixa em 2012.