Bolsas da China tem melhor mês desde novembro

Decisão do MSCI de incluir as ações do país em seu índice alimentou compras de blue-chips e impulsionou os índices

Xangai / Cingapura – Os mercados acionários da China registraram ganhos pela segunda semana seguida uma vez que a decisão do MSCI de incluir as ações do país em seu índice alimentou compras de blue-chips, mesmo diante das preocupações com uma desaceleração da segunda maior economia do mundo.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,08 por cento, enquanto o índice de Xangai teve ganho de 0,09 por cento.

Na semana, o CSI300 avançou 1,2 por cento e o SSEC subiu 1,1 por cento. No mês, as altas foram respectivamente de 4,9 e 2,4 por cento, com o CSI300 tendo o melhor mês desde novembro.

O MSCI concordou em acrescentar 222 grandes empresas listadas na China a seu Índice de Mercados Emergentes.

No restante da região, os mercados acompanharam a fraqueza nos mercados europeus e norte-americanos, e o índice MSCI, que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, caía 0,68 por cento às 7:25 (horário de Brasília), após atingir máxima de dois anos na quinta-feira.

. Em Tóquio, o índice Nikkei recuou 0,92 por cento, a 20.033 pontos.

. Em Hong Kong, o índice HANG SENG caiu 0,77 por cento, a 25.764 pontos.

. Em Xangai, o índice SSEC ganhou 0,09 por cento, a 3.191 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, retrocedeu 0,08 por cento, a 3.665 pontos.

. Em Seul, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,16 por cento, a 2.391 pontos.

. Em Taiwan, o índice TAIEX registrou baixa de 0,26 por cento, a 10.395 pontos.

. Em Cingapura, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,99 por cento, a 3.226 pontos.

. Em Sydney o índice S&P/ASX 200 recuou 1,66 por cento, a 5.721 pontos.