Bolsas da Ásia têm baixa mesmo com medidas de BCs

Os investidores da região reagiram com pessimismo à divulgação de novas medidas de flexibilização por parte do Banco Central Europeu

Tóquio – À exceção da China, os mercados asiáticos apresentaram fracos resultados nesta sexta-feira. Os investidores da região reagiram com pessimismo à divulgação de novas medidas de flexibilização por parte do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco do Povo da China (PBoC). Eles esperavam mais do que a redução das taxas de juros.

A Bolsa de Hong Kong fechou praticamente estável. O Hang Seng caiu apenas 0,04% e terminou aos 19.800,64 pontos.

Já as Bolsas da China tiveram alta acentuada, com as expectativas de mais políticas de flexibilização no curto prazo, à medida que a surpreendente redução dos juros indica que Pequim está determinada a estimular o crescimento. O Xangai Composto ganhou 1% e terminou aos 2.223,58 pontos – na semana, contudo, o índice teve queda de 0,1%. O Shenzhen Composto avançou 2,3%, aos 934,85 pontos.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé fechou em baixa após os BCs da Europa e da China cortarem os juros, aumentando o pessimismo dos investidores. O índice Taiwan Weighted retrocedeu 0,26%, aos 7.368,59 pontos.

A Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em baixa, interrompendo uma série de três dias no campo positivo. O índice Kospi recuou 0,92%, aos 1.858,20 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney encerrou o dia em baixa, com os investidores aguardando a divulgação, na sexta-feira, dos dados sobre o emprego dos EUA em junho. O índice S&P/ASX 200 caiu 0,27%, aos 4.157,81 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, também fechou em ligeira baixa, com os investidores consolidando suas posições após o recente rali. O PSEi subiu 0,1% e encerrou aos 5.362,68 pontos, com pesado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.