Bolsas da Ásia têm alta com declaração do BCE

As declarações do presidente do BCE, Mario Draghi, de que fará o que for necessário para "preservar o euro", trouxeram otimismo aos investidores da região

Tóquio – À exceção da China, os mercados asiáticos encerraram em forte alta nesta sexta-feira. As declarações do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de que fará o que for necessário para “preservar o euro”, trouxeram otimismo aos investidores da região sobre a solução dos problemas na zona do euro.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que seguiu o embalo de Wall Street e dos mercados europeus. O Hang Seng avançou 2,0% e terminou aos 19.274,96 pontos – na semana, contudo, o índice acumulou queda de 1,9%.

Já a Bolsa de Xangai, na China, fechou estável, com a ausência de novos sinais sobre a economia doméstica. O Xangai Composto subiu apenas 0,1% e terminou aos 2.128,76 pontos, o pior fechamento desde 9 de março de 2009 – na semana, o índice teve perda de 1,8%. O Shenzhen Composto recuou 0,5%, aos 876,26 pontos.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou o dia no azul, no rastro dos mercados regionais. O índice Taiwan Weighted subiu 2,21%, aos 7.124,49 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul fechou em alta, com empresas de tecnologia liderando o mercado geral após a Samsung Electronics relatar fortes ganhos no segundo trimestre. O índice Kospi subiu 2,62%, aos 1.829,16 pontos.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou no campo positivo após as boas notícias vindas da zona do euro. O índice S&P/ASX 200 avançou 1,50%, aos 4.209,77 pontos.

A decisão do banco central local de cortar a taxa de juros alavancou a Bolsa de Manila, nas Filipinas. O PSEi ganhou 1,3% e encerrou aos 5.219,55 pontos, com pesado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.