Bolsas da Ásia seguem sem tendência definida

A maioria das blue chips fechou no campo positivo, com destaque para os papéis relacionados à China

Tóquio – Assim como na véspera, os mercados asiáticos voltaram a apresentar resultados mistos nesta quinta-feira. A expectativa por novas medidas de flexibilização que podem ser adotadas hoje pelo Banco Central Europeu (BCE) nortearam os investidores da região.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que também reagiu positivamente às expectativas de novas medidas de estímulo por parte de Pequim. O Hang Seng subiu 0,5% e terminou aos 19.809,13 pontos, no maior fechamento desde 15 de maio. A maioria das blue chips fechou no campo positivo, com destaque para os papéis relacionados à China.

Já as Bolsas da China tiveram queda acentuada. Os investidores mostraram preocupação com o aperto da liquidez, à medida que a Citic Heavy Industry levantou US$ 504 milhões em uma IPO interna e fará a sua estreia na sexta-feira. O Xangai Composto perdeu 1,2% e terminou aos 2.201,35 pontos. O Shenzhen Composto caiu 1,9%, aos 914,31 pontos. As siderúrgicas e as empresas de carvão lideraram o declínio.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou o dia em baixa provocada pela realização de lucros após os recentes ganhos e por uma forte queda na HTC, que está sendo negociada ex-dividendos. O índice Taiwan Weighted recuou 0,47%, aos 7.387,78 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul encerrou o dia praticamente estável, à espera da reunião de política monetária do BCE e na expectativa da divulgação da orientação de lucros da Samsung para o segundo semestre, na sexta-feira. O índice Kospi subiu apenas 0,06%, aos 1.875,49 pontos.

Da mesma forma, a Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou estável. Os negócios ficaram sem direção definida após o feriado nos EUA (Dia da Independência) e na expectativa sobre as decisões do BCE. O índice S&P/ASX 200 recuou 0,07%, aos 4.169,20 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, fechou em ligeira alta, após a agência de classificação de risco Standard & Poor’s elevar o rating do país para apenas um grau abaixo do nível de investimento e com sinais de uma inflação benigna em junho. O PSEi subiu 0,2% e encerrou aos 5.369,98 pontos, em novo recorde de pontuação e com moderado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.