Bolsas da Ásia fecham mantendo Chipre e fatores locais

O temor é que as pesadas perdas impostas a detentores de bônus e correntistas no Chipre possam se repetir em outras economias frágeis do bloco

Tóquio – As bolsas asiáticas fecharam influenciadas por fatores locais mas mantendo o Chipre no foco depois de o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, dizer que a estrutura do pacote de resgate para a ilha do Mediterrâneo poderá servir de modelo para futuros programas de ajuda na zona do euro, segundo relatos da mídia.

Embora Dijsselbloem tenha posteriormente negado o comentário, a notícia foi suficiente para esfriar o ânimo dos investidores.

O temor é que as pesadas perdas impostas a detentores de bônus e correntistas no Chipre possam se repetir em outras economias frágeis do bloco que compartilha o euro.

Além disso, circularam ontem rumores de que a Moody’s estaria para rebaixar o rating da Itália, que vive um grave impasse político desde o resultado inconclusivo das eleições gerais realizadas no mês passado.

Na China, pesaram também fatores locais. O índice Xangai Composto encerrou o pregão com queda de 1,3%, aos 2.297,67 pontos, após o governo da província de Guangdong se tornar o primeiro a divulgar detalhes de medidas de controle para o setor imobiliário.

O Shenzhen Composto recuou 0,7%, para 953,36 pontos.


O índice Taiwan Weighted, da Bolsa de Taipé, fechou estável, aos 7.856,56 pontos, após uma sessão volátil. Já na Bolsa de Hong Kong, o índice Hang Seng avançou 0,3%, para 22.311,08 pontos, ajudado por bons resultados corporativos.

Em Seul, na Coreia do Sul, o índice Kospi também teve alta de 0,3%, para 1.983,70 pontos, com as compras de investidores institucionais superando as vendas de investidores estrangeiros, segundo analistas.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 também foi pressionado pelas preocupações na Europa e caiu 0,8%, para 4.950,20 pontos. Os destaques negativos vieram do setor minerador: Rio Tinto cedeu 2,3% e BHP Billiton teve queda de 1,4%.

Em Manila, nas Filipinas, o índice PSEi subiu 1%, para 6.665,12 pontos, e garantiu o quarto pregão consecutivo de alta, favorecido por um movimento de embelezamento de carteiras. As informações são da Dow Jones.