Bolsas da Ásia fecham em queda; HK cai 1,1%

Bolsas chinesas tiveram queda, lideradas pelas ações de carvão e de cimento por causa da redução das expectativas sobre a flexibilização nesses setores

Tóquio – A fraqueza dos mercados internacionais, em particular de Wall Street, derrubou os mercados asiáticos nesta quarta-feira. Os investidores também andaram de lado à espera da divulgação da ata de reunião política do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), a ser anunciada no final do dia global. Não houve negociações na Indonésia por ser feriado.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong. O Hang Seng caiu 1,1% e terminou aos 19.887,78 pontos. Entre as blue chips, a reação aos resultados do primeiro semestre novamente direcionou os investidores.

As Bolsas da China tiveram queda, lideradas pelas ações de carvão e de cimento por causa da redução das expectativas da adoção de uma política de flexibilização para os setores no curto prazo. O Xangai Composto perdeu 0,5% e terminou aos 2.107,71 pontos. O Shenzhen Composto caiu 0,7%, aos 884,73 pontos.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em baixa. O mercado fez uma pausa após os ganhos da véspera, impulsionados pela Apple, em ações de tecnologia, disse Tom Tang, vice-presidente da Masterlink Investment Advisory. “Fabricantes de chips e outras ações estão em modo de consolidação”, afirmou. O índice Taiwan Weighted caiu 0,3%, aos 7.485,78 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul fechou em baixa, com investidores institucionais e de varejo vendendo um valor combinado de 172,5 bilhões de wons (US$ 152 milhões) em ações domésticas. O índice Kospi retrocedeu 0,4%, aos 1.935,19 pontos.

A Bolsa de Sydney, na Austrália também fechou negativa, influenciada, entre outros motivos, pela queda no lucro da BHP Billiton, com a consequente suspensão de projetos da mineradora. O índice S&P/ASX caiu 0,3%, aos 4.376,04 pontos.

Após dois dias de feriado, a Bolsa de Manila, nas Filipinas, apresentou queda. O PSEi caiu 1,1% e encerrou aos 5.152,15 pontos, com pesado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.