Bolsas da Ásia fecham em baixa por aversão a risco

Compra estrangeira pode reverter esse quadro dos mercados

Hong Kong – As bolsas de valores da Ásia fecharam em baixa nesta segunda-feira, com os conflitos no Oriente Médio e a crise nuclear no Japão deixando os investidores avessos a ativos de maior risco.

Investidores asiáticos realizaram lucros com ações de bancos em Hong Kong, fabricantes de computadores em Taiwan e mineradoras da Austrália, pressionando os mercados de ações da região após esses setores fecharem com ganhos fortes na semana passada.

Porém, a maioria dos analistas acredita que os mercados asiáticos vão se recuperar por demanda estrangeira, com o fim do primeiro trimestre e do ano fiscal no Japão.

“Ainda há espaço para alta, pois a compra estrangeira em momentos de baixa deve continuar, mas as operações podem não ter uma direção comum antes do fim do ano fiscal”, disse Hajime Nakajima, operador da Cosmo Securities em Tóquio.

Em Tóquio, o índice Nikkei encerrou em baixa de 0,6 por cento. Às 7h46 (horário de Brasília), o índice da região Ásia-Pacífico exceto o Japão caía 0,34 por cento.

Junto com os ganhos contra o euro, o dólar também subia contra o iene, ajudado por comentários de uma autoridade do banco central dos Estados Unidos. Na sexta-feira, um membro do Federal Reserve disse que a política de juros baixos deve começar a ser retirada em um “futuro não muito distante”, para conter a inflação.

Os ataques aéreos ocidentais sobre a Líbia e as tensões na Síria, no Iêmen e no Barein continuavam alimentando a incerteza dos investidores sobre interrupções de fornecimento do petróleo vindo do Oriente Médio e do norte da África, algo que impulsionava investimentos considerados mais seguros, como o ouro.

Em Hong Kong, o mercado caiu 0,39 por cento e a bolsa de Taiwan retrocedeu 0,67 por cento, enquanto o índice referencial de Xangai ganhou 0,21 por cento.

Cingapura encerrou em baixa de 0,44 por cento e Sydney fechou com perda de 0,19 por cento.