Bolsas da Ásia divergem à espera de dados da China

Na China, as principais bolsas fecharam em queda, diante da preocupação dos investidores sobre a desaceleração da economia doméstica

São Paulo – As bolsas asiáticas encerraram o pregão desta segunda-feira sem direção única, em meio à expectativa dos investidores com a divulgação de índices dos gerentes de compras (PMI) do setor industrial da China e de outros indicadores econômicos relevantes ao longo dos próximos dias, incluindo o relatório de emprego dos Estados Unidos.

Na China, as principais bolsas fecharam em queda, diante da preocupação dos investidores sobre a desaceleração da economia doméstica, que pode ser confirmada por dados de atividade manufatureira que serão publicados hoje à noite. Ações ligadas à zona de livre comércio de Xangai também pressionaram os índices em função de temores relacionados às novas regras financeiras da região.

O índice Xangai Composto recuou 0,41%, a 2.128,79 pontos, enquanto o Shenzhen Composto perdeu 0,41%, a 1.039,88 pontos. Entre as ações, as da BYD tiveram queda de 2,0% e as da SAIC Motor Corp caíram 0,2%.

Os papéis de empresas ligadas à zona de livre comércio de Xangai recuaram acentuadamente, depois que o jornal Shanghai Securities News informou que autoridades locais vão anunciar mais regulamentos financeiros e de investimentos na região. As ações da Xangai Oriental Pearl Group e da Shanghai International Port perderam 10,0% e 3,9%, nesta ordem.

Por outro lado, a Bolsa de Hong Kong fechou em alta após o lucro anual maior que o esperado do China Construction Bank. As ações do banco avançaram 1,3%, após a instituição divulgar que seus ganhos saltaram 11,1% em 2013 ante o ano anterior. O índice Hang Seng subiu 0,39%, a 22.151,06 pontos.

O mercado nas Filipinas também encerrou o dia em tom positivo. O índice PSEi, da Bolsa de Manila, avançou 1,09%, a 6.428,71 pontos. Na Tailândia, o índice SET ganhou 0,54%, a 1.376,26 pontos. O otimismo também prevaleceu entre os investidores da Coreia do Sul e o índice Kospi avançou 0,23% na Bolsa de Seul, a 1.985,61 pontos.


Na região do Pacífico, a Bolsa da Austrália também fechou em terreno positivo, ainda em meio à expectativa de que o governo chinês anuncie novas medidas de estímulo e à espera da decisão de política monetária do Banco da Reserva da Austrália (RBA, na sigla em inglês), na madrugada desta terça-feira. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, ganhou 0,50%, a 5.394,8 pontos.

Desempenho Trimestral

No primeiro trimestre do ano, as ações asiáticas também fecharam sem direção única, com destaque para as quedas das bolsas da China e do Japão, enquanto índices do sudeste asiático surpreenderam positivamente.

O índice Nikkei registrou o seu pior desempenho trimestral em quase dois anos ao recuar 9,0%. Em 2013, o principal índice da bolsa japonesa tinha avançado 57%. De acordo com analistas, a preocupação sobre um aumento de imposto sobre vendas, previsto para amanhã, azedou o humor dos investidores japoneses.

Os temores em relação ao ritmo de crescimento da economia chinesa derrubaram as bolsas chinesas. Preocupações com o setor imobiliário, o possível aumento da inadimplência e o yuan também contribuíram para as quedas. O índice Xangai Composto recuou 3,9% no acumulado do ano, enquanto a Bolsa de Hong Kong perdeu 5,0%.

Por outro lado, os mercados da Indonésia e das Filipinas registraram ganhos acentuados nos três primeiros meses do ano, de 11,6% e de 9,2%, respectivamente. Os participantes voltaram a esses mercados, depois de tê-los abandonado antes do início da redução de programa de estímulos do Federal reserve (Fed, o banco central dos EUA). Com informações da Dow Jones Newswires.