Bolsa sobe 4%; Fitch rebaixa Samarco…

Bolsa em clima de despedida

O Ibovespa subiu 4% nesta terça-feira, a maior alta em quase dois meses. Investidores foram às compras na expectativa do afastamento da presidente Dilma, que será votado amanhã no Senado. As notícias sobre o corte de ministérios num eventual governo de Michel Temer também agradaram. A alta do minério de ferro e a do petróleo ajudaram ações que tiveram perdas no dia de ontem. Os papéis preferenciais da Usiminas subiram 10%; e os da Petrobras, 7,7%. Das 59 ações do Ibovespa, 58 fecharam o dia em alta. As ações preferenciais da Braskem caíram 1,7%. O dólar caiu 1,65% e chegou a 3,47 reais.

Expectativa na Qualicorp

As ações da administradora de planos de saúde Qualicorp subiram 9% às vésperas da divulgação de seus resultados. Segundo o banco Credit Suisse, a empresa deve mostrar um sólido resultado com um crescimento de 10% no Ebitda. Analistas esperam um lucro de 109 milhões de reais, mais do que o dobro do registrado no mesmo período do ano passado.

Via Varejo, resultado ruim?

As ações da Via Varejo, controladora da Casas Bahia e do Ponto Frio, chegaram a cair 3,2% na mínima do dia após a empresa anunciar uma queda de 98,7% em seu lucro no primeiro trimestre, que foi de 3 milhões de reais. Mas as ações fecharam o dia com alta de 6,2%. Ao que parece, a teleconferência de resultados realizada hoje pela manhã conseguiu acalmar os investidores. Segundo Peter Estermann, presidente da companhia, a estratégia da empresa é “continuar com postura bastante competitiva, o que ajuda a melhorar o patamar de vendas e a ganhar market share”. Estermann disse ainda que há uma recuperação dos resultados e que os meses de fevereiro e março foram mais positivos.

De olho na BRF

As ações da empresa de alimentos BRF subiram 7,3% nesta terça-feira. A alta acontece após uma notícia do jornal Valor Econômico de que executivos da maior empresa de carnes dos Estados Unidos, a Tyson Foods, visitaram fábricas da BRF e têm interesse na aquisição da companhia.

Mais contas para a Eletrobras

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu que a estatal Eletrobras deverá reembolsar em mais de 2 bilhões de reais um fundo do setor elétrico, por entender que o valor foi apropriado indevidamente pela companhia. A verba do fundo Reserva Global de Reversão (PGR) foi utilizada para financiar programas sociais, como o Luz Para Todos, e para viabilizar empréstimos a empresas de energia. No entendimento da Aneel, a Eletrobras deixou de repassar à RGR valores gerados pela cobrança de amortizações, taxas e encargos nos empréstimos concedidos com recursos do fundo entre 1998 e 2011.

Fitch rebaixa Samarco

A agência de classificação de risco Fitch rebaixou quatro degraus o rating da mineradora Samarco, de BB- para CCC. Segundo a agência, a decisão acompanha a perspectiva de que a Samarco não conseguirá obter as licenças necessárias para reiniciar suas operações antes de acabar o caixa neste ano e com isso precisará reestruturar suas dívidas de curto prazo.

Oi demite

O grupo de telecomunicações Oi está demitindo cerca de 2.000 funcionários num processo que deve diminuir de 15% a 20% dos custos com pessoal da companhia. As demissões ocorrem pouco mais de um ano depois de a empresa realizar cerca de 1.100 cortes de pessoal.