Bolsa fica mais rigorosa e 4 empresas abandonam Índice Carbono Eficiente

ICO2 estimula empresas a adotarem práticas transparentes em relação às emissões de gases efeito estufa

São Paulo – A BM&FBovespa (BVMF3) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta segunda-feira a saída de oito companhia que integravam a carteira teórica do Índice Carbono Eficiente (ICO2). O ICO2 é um indicador composto pelas ações das companhias participantes do índice IBrX-50 que aceitaram participar dessa iniciativa, adotando práticas transparentes com relação às suas emissões de gases efeito estufa (GEE).

Segundo a bolsa, a Brasil Ecodiesel (ECOD3), TAM (TAMM4), LLX (LLXL3) e Eletrobras (ELET6) apresentaram seus inventários de emissão, porém não compõem mais o IBrX-50, o que as desclassifica. As ações ordinárias da Eletrobras (ELET3), que ainda estão no IBrX-50, continuam no ICO2.

As demais, apesar de estarem no índice, não apresentaram os documentos exigidos para a participação no ICO2 e foram excluídas, são elas: Brookfield (BISA3), Cyrela (CYRE3), Gafisa (GFSA3) e  Rossi (RSID3). A nova revisão também registra a entrada de duas novas companhias no índice – Cesp (CESP6) e BR Malls (BRML3). O portfólio válido a partir de hoje é constituído por 38 ações de 37 companhias.

São elas: América Latina Logística (ALL), Ambev, Banco do Brasil, BM&FBovespa, BR Malls, Bradesco, Bradespar, Braskem, Brasil Foods, CCR, Cemig, Cielo, Cesp, Copel, Cosan, Eletrobrás, Eletropaulo, Fibria, Gol, Itausa, Itaú Unibanco, JBS-Friboi, Lojas Americanas, Lojas Renner, Marfrig, MMX Mineração, MRV Engenharia, Natura, OGX Petróleo, Pão de Açúcar, PDG Realty, Redecard, Santander Brasil, Telemar, Telesp, Tim e Vale.