Bolsa despenca 3,2%; PDV nos Correios…

Tecnologia com medo de Trump?

Em mais um dia agitado nos mercados ao redor do mundo, as principais bolsas americanas seguiram direções diferentes. O índice Dow Jones, que reúne os principais ativos da indústria, bateu um novo recorde de patamar com uma alta de mais de 1% no dia. Os ganhos fazem parte de uma expectativa que tem ganhado força no mercado: a de que Donald Trump eleito conseguirá fortalecer a indústria. Já o índice da Nasdaq, bolsa que reúne empresas de tecnologia, caiu 0,50%.

_

Quem perdeu

Entre as maiores perdas do dia estavam as gigantes da tecnologia Facebook, Amazon e Netflix, que caíram mais de 3%. Embora as opiniões variem sobre o que está acontecendo, uma possibilidade é a preocupação quanto ao impacto das políticas da Trump sobre o comércio exterior, onde as empresas de tecnologia dos Estados Unidos prosperam. Outros viram a queda como uma prevenção contra uma potencial retaliação pelo presidente eleito a uma indústria que não o apoiou durante a campanha.

_

Ibovespa: mais uma queda

Por aqui o cenário foi novamente de perdas. O Ibovespa caiu 3,25% e fechou o dia em 61.200 pontos, seguindo a aversão de investidores aos mercados emergentes. As maiores altas do dia ficaram com os papéis das exportadoras, impulsionadas pelo dólar. Os papéis preferenciais da Suzano Papel dispararam 13,5%, as ações ordinárias da Fibria subiram 11,1%. Destaque também para o setor de siderurgia e mineração, após contratos futuros do minério de ferro dispararem 9%. Os papéis preferenciais da Vale subiram 8,2%; e os da siderúrgica Gerdau, 3,8%. Do lado negativo, as ações preferenciais da Petrobras despencaram 6,9%.

_

PDV nos Correios

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, confirmou nesta quinta-feira que a companhia deve ter seu quarto prejuízo anual seguido em 2016. A expectativa é que o faturamento chegue a 20 bilhões de reais e o prejuízo gire em torno 2 bilhões. Para tentar aliviar a situação, a estatal espera a aprovação de um empréstimo de 750 milhões de reais com o Banco do Brasil para iniciar um plano de demissão voluntária (PDV). A expectativa é iniciar o programa até dezembro com uma adesão de 8.000 trabalhadores. Segundo Campos, a economia com os cortes ficará entre 800 milhões e 1 bilhão de reais por ano.

_

Bancos em baixa

A quinta-feira também foi marcada pelo balanço de dois dos maiores bancos do país. O lucro do Bradesco caiu 21,5% na comparação anual e ficou em 3,23 bilhões de reais no terceiro trimestre. Na métrica ajustada, o lucro do período foi de 4,46 bilhões de reais, um recuo de 1,6%. O resultado incluiu pela primeira vez os números do HSBC no Brasil, aquisição concluída em julho. Em coletiva, o presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, afirmou que o balanço é de “transição”, refletindo a consolidação das operações do HSBC e o início de um novo ciclo econômico. As ações ordinárias do Bradesco caíram 6,2%.

_

BB cai 6,4%

As ações do Banco do Brasil também tiveram um dia de fortes perdas e caíram 6,4%. O lucro do BB foi de 2,33 bilhões de reais no terceiro trimestre — uma queda de 18,9% na comparação com o mesmo período de 2015. A carteira de crédito ampliada somou 734 bilhões de reais, 2,3% menos do que o valor registrado no fim de junho e 6,9% menos do que no terceiro trimestre de 2015.

_

Eletrobras lucra

A estatal Eletrobras apresentou um lucro de 875 milhões de reais, revertendo o prejuízo de julho a setembro de 2015. A melhora veio após a empresa contabilizar novas receitas relacionadas a indenizações devidas pela União à companhia. Já a dívida da companhia cresceu 28,8%, alcançando 21,2 bilhões de reais.

_

Kroton lucra mais

A companhia de educação Kroton teve um lucro de 452,7 milhões de reais no terceiro trimestre, 11,1% maior do que o registrado no mesmo período de 2015. O lucro anunciado é pro forma, inclui as projeções de ganhos com o Fies atualmente atrasados por causa da demora na abertura do sistema de rematrículas — que foi normalizado em outubro. Já a receita líquida pro forma somou 1,2 bilhão de reais entre julho e setembro — um recuo de 0,9% na comparação anual. As ações da Kroton tiveram uma das maiores perdas do dia do Ibovespa e caíram 8,6%.

_

Uber no delivery

O aplicativo de caronas compartilhadas Uber está buscando motoqueiros e administradores para operar o serviço de entregas da companhia em São Paulo, o UberEats. A empresa enviou mensagem aos motoristas do Uber prometendo bonificação de 400 reais para quem indicar um entregador. O serviço já está disponível em 52 cidades e São Paulo seria a primeira na América do Sul. Aplicativos de delivery já existem há três anos no Brasil, e os concorrentes do Uber — iFood, Loggi e Rapiddo — afirmaram à Folha de S.Paulo que já sentem o efeito da movimentação da companhia para entrar no mercado.

_

Varejo: ainda em queda

As vendas no comércio varejista caíram 1% em setembro em comparação com agosto. Segundo o IBGE, esse é o terceiro resultado negativo consecutivo no setor. Na comparação com setembro de 2015, as vendas caíram 5,9%. Já a receita nominal do comércio caiu 0,3% entre agosto e setembro, mas cresceu 5,7% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

 _

2017: safra maior

O IBGE estima que a safra brasileira de 2017 produzirá cerca de 210 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas. O número é 13,9% maior do que a colheita prevista para este ano. A previsão do IBGE para 2016 é que a safra feche em 183,8 milhões de toneladas —uma queda de 12,3% em relação ao ano passado. O Nordeste é a região onde há maior perspectiva de aumento da produção, 51%