Bolsa de Tóquio fecha na maior alta em 6 meses e meio

O índice Nikkei subiu 1,56%, aos 9.366,80 pontos, acompanhando a alta de 0,9% da sessão anterior

Tóquio – A Bolsa de Tóquio fechou esta quinta-feira em sua maior alta em seis meses e meio, com o enfraquecimento constante do iene, o que levou a mais compras de papéis de exportadores como a Honda Motor e Nikon. Os dados otimistas sobre a manufatura chinesa também deram suporte às ações de empresas expostas ao desempenho chinês, a exemplo da Hitachi Construction Machinery e a JFE Holdings.

O índice Nikkei subiu 1,56%, aos 9.366,80 pontos, acompanhando a alta de 0,9% da sessão anterior. Para uma semana mais curta, pois os mercados estarão fechados na sexta-feira em virtude do feriado de Ação de Graça, o índice somou 3,8%, e acumula alta de 11% no ano até agora.

O volume foi relativamente robusto, totalizando 2,03 bilhões de ações negociadas, superando a marca de 2 bilhões pela quarta vez nos últimos seis pregões. O aumento de participação de investidores estrangeiros deu dado suporte positivo ao mercado.

As contas no exterior de seis corretoras estrangeiras colocaram no pré-mercado pedidos de compras líquidas da ordem de 10 milhões de ações, no décimo dia consecutivo de movimentos de compra. Os principais índices posteriormente saltaram na abertura, e permaneceram bem acima do ponto de equilíbrio durante todo o dia.

“Outra queda repentina do iene pegou o mercado um pouco de surpresa, mas com as tensões reduzidas sobre o impasse do ‘abismo fiscal’, voltamos aos níveis do iene em que o Nikkei era negociado, próximo à marca dos 10.000 pontos”, disse o gerente geral da Chibagin Asset Management, Yoshihiro Okumura.


À partir do fechamento da bolsa, às 4h no horário de Brasília, o dólar era negociado a 82,47 ienes, depois de alcançar o maior nível em sete meses e meio nesta quarta-feira. Um euro valia 105,96 ienes. Com maior exposição ao iene mais fraco, as companhias exportadoras tiveram suas ações em alta desde o início, com a Honda somando 3,5% e a Toyota Motor avançando 2,3%.

Dentre as ações especialmente vulneráveis ao euro, as da Nikon ganharam 3,9%, Canon subiu 3,3% e Ricoh avançou 3,5%. Alguns traders especulam que mais adiante, o iene provavelmente caia mais frente ao euro do que diante do dólar.

O Softbank foi o único com maior peso positivo na composição do Nikkei, fechando em alta de 4,2%, apesar do grande interesse geral dos investidores por papéis de exportadores. As ações da Fanuc ganharam 1,2%, enquanto que as da Hitachi Construction Machinery fecharam em alta de 2,8%. A siderúrgica JFE Holdings também avançou 3,9% no pregão. As informações são da Dow Jones.