Bolsa de Tóquio cai 1,49%, com euro mais fraco

O índice Nikkei teve a sua pontuação mais baixa em três meses, com queda conduzida por ações de grandes empresas como a NTT Data e a Komatsu

Tóquio – A Bolsa de Tóquio caiu drasticamente nesta quarta-feira com o euro mais fraco, volume morno de negócios e notícias desapontadoras sobre ganhos de companhias. Este contexto levou o índice Nikkei a sua pontuação mais baixa em três meses, queda conduzida por ações de grandes empresas como a NTT Data e a Komatsu.

O índice Nikkei perdeu 136,59 pontos, ou 1,49%, para 9.045,06, após a alta de 0,7% na sessão anterior. Durante o pregão, o índice bateu seu nível mais baixo desde 14 de fevereiro. Como nas sessões anteriores, o volume global de negócios manteve-se tímido, influenciado pela volatilidade, totalizando 1,8 bilhão de ações.

Os principais índices começaram a recuar desde o início do pregão, afetados por uma liquidação acentuada de papéis durante a noite nas bolsas no exterior, especialmente na Europa, devido ao avanço das incertezas políticas na Grécia, medida que redundou em renovado movimento de venda do euro.

“Por enquanto, o euro parece ter se apoiado no patamar de 103 ienes, o que não fará os investidores abandonarem ações exportadoras”, disse Daisuke Uno, tesoureiro estrategista do departamento de Marketing do Sumitomo Mitsui Banking. “Mas a crise provavelmente não se definirá até meados de junho, quando devem ocorrer novas eleições na Grécia”, afirmou Uno.

“Mesmo com razoáveis bons fundamentos das empresas, há um sentimento de baixa nos investidores locais. É difícil obter estímulo quando os investidores regionais ficam em cima do muro”, afirmou Toshiyuki Kanayama, analista de mercado da Monex. Ele lembrou que muitos investidores esperaram os resultados da Toyota para tê-los como base, o que ocorreria após o fechamento do pregão.

O ambiente hostil do mercado já se mostrou tóxico para as ações das companhias, que reportam ganhos e perspectivas desapontadoras. A NTT Data afetou o Nikkei, caindo 12%, após sua perspectiva para o atual ano fiscal aquém das expectativas.

Dentre as tradicionais blue chips, a Fanuc deslizou 2,2%, enquanto que a Fast Retailing tropeçou 1,5%. Sensível ao crescimento da China, a Komatsu particularmente sofreu com as ações chinesas mais fracas, com seus papéis caindo 4,1%. A sua rival, a Hitachi Construction Machinery, também perdeu 3,5%.

As ações de empresas do setor imobiliário recuaram em meio à calmaria à espera de medidas de relaxamento econômico do Banco do Japão (BoJ). Os papéis da Mitsubishi Estate e Mitsui Fudosan caíram, respectivamente, 3,2% e 2,5%.

Por outro lado, as ações da Ajinomoto encerraram o pregão em alta de 7,4%, depois de a empresa anunciar planos para recompra no valor de até 50 bilhões de ienes de suas próprias ações, mais de 7% das ações em circulação, entre os dias 9 de maio e 21 de janeiro de 2013. As informações são da Dow Jones.