Bolsa cai 1,4%; 1,5 mi vagas a menos…

Bolsa cai 1,4% no dia, 1,6% na semana 

O Ibovespa caiu 1,43% nesta sexta-feira, cotado em 57.079 pontos. O volume financeiro foi de 7,4 bilhões de reais, mais uma vez abaixo da média do ano, o que revela uma atitude mais conservadora dos investidores. Na semana, o recuo do Ibovespa é de 1,6%. A boa notícia do início da semana — a fala da diretora do Fed, Lael Brainard, que afastou a possibilidade de aumento dos juros nos Estados Unidos — e a cassação de Eduardo Cunha foram dando espaço a um quadro negativo no mercado internacional, com previsões pessimistas para o consumo de energia. Nesta sexta-feira, mais um golpe, com dados de inflação acima do esperado nos Estados Unidos.

Apenas nove altas 

Apenas nove das 58 ações que compõem o Ibovespa subiram, mas timidamente — a maior alta do dia foi do grupo de ensino Kroton, com 1,46%. As maiores quedas são de empresas ligadas a commodities — e, portanto, mais expostas à incerteza internacional. Três siderúrgicas caíram mais de 3%: Usiminas (3,94%), Gerdau (3,56%) e CSN (3,02%). A Petrobras caiu 2,5%, influenciada pela queda nos preços do petróleo. A mineradora Vale caiu 1,4%.

Dólar também cai

O dólar comercial caiu 1,02% nesta sexta-feira, fechando a semana em 3,27 reais. A moeda começou a cair depois de uma entrevista do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em que deu sinais de que pode diminuir as intervenções no câmbio — ou seja, deixaria o real valorizar mais livremente.

Perdas recordes no emprego 

O Brasil perdeu 1,51 milhão de vagas formais de emprego em 2015, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais, divulgados nesta sexta-feira pelo Ministério do Trabalho. É o pior resultado desde 1985, quando começou a série histórica. O recuo em relação a 2014 foi de 3,05%. O número de trabalhadores com emprego com carteira assinada passou de 49,6 milhões para 48,1 milhões. Os salários também caíram. Em dezembro do ano passado, o rendimento médio foi de 2.655,60 reais, 2,56% menor do que os 2.725,28 reais do mesmo mês de 2014.

CEO da Mundial denunciado

O Ministério Público Federal denunciou nesta sexta-feira Michel Lenn Ceitlin, presidente da fabricante de alicates Mundial, e Paulo Ricardo de Moraes Machado, diretor financeiro da empresa, pelos crimes de corrupção e organização criminosa no âmbito da Operação Zelotes, que investiga fraudes em julgamentos do Carf, o conselho de recursos fiscais. Fundada há 120 anos, a Mundial enfrenta uma sucessão de denúncias desde que estourou, em 2012, o fenômeno batizado por EXAME como Bolha do Alicate, no qual manobras ilegais inflaram as ações da companhia em mais de 1.600% em poucos meses.