Black Friday recorde; Bolsa sobe 0,27%…

Black Friday recorde

Um relatório da empresa de tecnologia Adobe estima que os consumidores devem gastar mais de 3 bilhões de dólares em compras online na Black Friday – dia de descontos em lojas do mundo todo, que acontece nesta sexta-feira. As vendas online deste ano devem superar em 11% os números do ano passado. A previsão é que as compras por meio de celulares superem 1 bilhão de dólares pela primeira vez. A estimativa da Adobe se baseia nos números já divulgados, que mostram que mais de 490 milhões de dólares já foram gastos nas primeiras 8 horas e meia do evento.

Bolsa em alta

O Ibovespa subiu 0,27% nesta sexta-feira, num dia marcado pela tensão política com a saída do ministro Geddel Vieira Lima e a oposição afirmando que entrará com pedido de impeachment do presidente Michel Temer. Pela manhã, quando Geddel entregou a carta de demissão, o índice chegou a cair 1,2%. Apenas oito das 58 ações que compõem o índice subiram, mas ajudaram a bolsa a fechar em alta graças ao grande volume de negociações dos papéis. Na semana, o Ibovespa fechou em alta de 2%.

Vale sobe 4,75%

Entre os destaques positivos do dia estão as exportadoras (como as siderúrgicas e as produtoras de papel e celulose), puxadas pela alta de 0,58% do dólar, para 3,41 reais. A maior alta foi da mineradora Vale —as ações ordinárias subiram 4,75%, impulsionadas pela alta de 3,48% no preço do minério de ferro. A empresa ainda ofereceu alternativas para a maior incerteza dos investidores, o programa de recuperação de sua subsidiária Samarco. A Vale informou ontem que, juntamente com sua sócia na empresa, a BHP Billiton, poderá disponibilizar uma linha de crédito para a Samarco.

Bradesco pode fechar agências

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, disse durante uma reunião com investidores nesta sexta-feira que o banco poderá fechar agências nos próximos meses. Até aqui, o banco havia descartado essa possibilidade, mesmo depois da compra do HSBC no país. “Existe uma certa sobreposição de agências, mas o que vai decidir serão os balancetes”, disse Trabuco. No início da semana, o Banco do Brasil e a Caixa também anunciaram que vão fechar agências pelo país.

Repatriação leva ao superávit

Graças aos 45 bilhões de reais arrecadados com a repatriação de recursos brasileiros no exterior, as contas do governo federal fecharam em outubro com um superávit de 40,8 bilhões, o melhor resultado desde que o Banco Central começou a série histórica. A arrecadação chegou a 148,7 bilhões em outubro. O déficit acumulado no ano, por sua vez, também é recorde. Entre janeiro e outubro, a diferença entre as receitas e despesas ficou negativa em 55,8 bilhões de reais. O resultado de 12 meses é negativo em 137,6 bilhões e a previsão para o ano é de déficit de 148,78 bilhões.

Desigualdade cai

A desigualdade de renda no Brasil caiu em 2015 pelo 11o ano seguido, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, realizada pelo IBGE. A diminuição da desigualdade se deu principalmente porque a faixa de rendimentos mais elevados teve uma redução mais intensa do que a dos mais pobres. Todos tiveram redução de renda. O Índice de Gini, que mede o grau de concentração de renda, caiu de 0,497, em 2014, para 0,491, em 2015. Dos estados, Santa Catarina foi o que apresentou a menor desigualdade, com índice 0,419. Na lanterna do ranking por estado, está o Distrito Federal, com 0,555.

4 mi de desempregados a mais

A deterioração do mercado de trabalho no Brasil em 2015 foi ainda mais aguda do que o que se imaginava. O total de postos de trabalho eliminados alcançou 3,8 milhões, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira. Essa foi a primeira vez que houve queda no total de empregados no país desde o início da série histórica da pesquisa, em 2004. A perda é muito mais acentuada do que a mostrada pela Pnad Contínua, que substituirá definitivamente o levantamento anual já a partir neste ano.