As melhores e piores ações do mês de novembro

Siderúrgicas e exportadoras de papel e celulose tiveram o melhor desempenho; empresas de aviação e turismo e grandes bancos tiveram as maiores quedas

Em mês de balanços, leilões e alta do dólar, as siderúrgicas e exportadoras de papel e celulose se destacaram entre as ações com o melhor desempenho no período. No outro extremo, empresas ligadas a aviação e turismo e grandes bancos figuraram entre as maiores quedas de novembro na bolsa brasileira.

Com uma valorização de 26%, a siderúrgica Gerdau liderou as altas do Ibovespa, impulsionada pela recuperação da demanda pelo aço. A retomada do mercado de construção, que começa a engatinhar e tem boas perspectivas para os próximos anos, foi um dos principais catalisadores da alta da Gerdau, destacou o banco BTG em relatório a clientes.

O bom desempenho da ação ajudou a reverter perdas amargadas ao longo do ano. A empresa vinha sofrendo com a fraca demanda pelo aço, mas com a recente valorização dos papéis, já tem um preço 15% maior no acumulado de 2019. O impulso do setor siderúrgico ajudou também a elevar as ações da Metalúrgica Gerdau, que teve o segundo melhor desempenho do mês, com um avanço de 21%.

Na ponta negativa, as ações da companhia de turismo CVC fecharam o mês com desvalorização de 21,8%. A companhia chegou a recuar mais de 10% na bolsa após divulgar um lucro líquido 3,6% menor no terceiro trimestre. Ao divulgar os resultados, a agência de turismo mencionou “muitos desafios” em 2019, citando o derramamento de óleo no Nordeste, o ambiente político e problemas com a aérea Avianca, em recuperação judicial.

Os papéis da CVC chegaram a recuperar parte das perdas de novembro após o anúncio de que fará um programa de recompra de ações. O conselho de Administração da empresa aprovou a aquisição de até 7,25 milhões de ações ordinárias, em operação única ou não. A quantidade equivale a 5% do total de ações em circulação, até maio de 2021. Hoje, a CVC possui 145.151.224 ações ordinárias.

A expectativa é que a recompra dos papéis ajude na recuperação dos preços da CVC, uma vez que ela pode indicar que a empresa vê o preço como atrativo. As ações da CVC vêm acumulando fortes perdas na bolsa brasileira. Somente em novembro, a ação desvaloriza mais de 16% e, desde o início de janeiro, recuam ao redor de 30%.

Com forte peso no Ibovespa, os principais bancos também apareceram entre os piores desempenhos do índice no mês. As ações do setor, que já haviam reagido negativamente aos balanços do terceiro trimestre, foram particularmente atingidas após o Banco Central anunciar novas regras para o cheque especial, limitando as taxas de juros em 8% ao ano. O Bradesco (PM) recuou mais de 9% no período, enquanto Itaú Unibanco (PN) cedeu ao redor de 6%. 

Veja as ações que mais subiram em novembro:

Empresa Ticker da ação Alta em novembro
Gerdau GGBR4 26,14%
Metalúrgica Gerdau GOAU4 21,47%
Via Varejo VVAR3 19,46%
Suzano SUZB3 18,02%
Tim TIMP3 17,82%
WEG WEGE3 16,52%
Usiminas USIM3 14,11%
Klabin KLBN11 13,96%
Ultrapar UGPA3 12,58%
Fleury FLRY3 11,35%

Veja as ações que mais caíram em novembro:

Empresa Ticker da ação Queda em novembro
CVC CVCB3 21,86%
Gol GOLL4 11,94%
Eletrobras PN ELET6 11,31%
Eletrobras ON ELET3 10,46%
Bradesco ON BBDC3 9,14%
Santander SANB11 9,03%
Bradesco PN BBDC4 8,78%
Smiles SMLS3 7,23%
Itaú PN ITUB4 6,02%
Intermédica GNDI3 5,80%

*A variação tem base em dados preliminares de 18h do fechamento de sexta-feira (29).