As ações que mais subiram e as que mais caíram em julho

O mês de julho teve votação da reforma da Previdência em primeiro turno, além de liberação do saque do FGTS

São Paulo – O Ibovespa fechou julho com alta acumulada de 0,83% aos 101.810 pontos. O evento mais importante do mês (quiçá do ano) foi a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara dos Deputados. A votação da PEC da Previdência em segundo turno será em agosto.

Outro evento importante no mês de julho foi o anúncio do governo federal sobre a liberação do saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). O anúncio animou principalmente as varejistas na Bolsa, as ações da Via Varejo, por exemplo subiram mais de 50%, enquanto Magazine Luiza subiu mais de 24% no período.

No início desta semana, surgiram ainda rumores da criação de nova “Black Friday” em setembro, aproveitando a liberação dos recursos do fundo, o que deu mais gás as empresas de varejo na Bolsa. Veja a seguir as 10 ações que mais subiram no mês:

Empresa Ticker Desempenho no mês
Via Varejo VVAR3 52,86%
GOL GOLL4 25,80%
Magazine Luiza MGLU3 24,57%
Cyrela CYRE3 21,27%
Azul AZUL4 19,84%
Estácio YDUQ3 19,10%
JBS JBSS3 17,34%
B3 B3SA3 15,31%
B2W BTOW3 13,40%
WEG WEGE3 13,22%

Entre os destaques negativos do mês estão as ações da Gerdau e da Metalúrgica Gerdau, com queda de quase 10%, cada uma. Os papéis foram impactados pelo queda do dólar e pelo mercado doméstico fraco.

Os bancos também tiveram um desempenho ruim no período. O Bradesco e o Banco do Brasil caíram cerca de 8%, cada um.

O Bradesco divulgou que teve lucro líquido de R$ 6,4 bilhões no segundo trimestre deste ano, uma alta de 25% na comparação com o mesmo período do ano passado. Mesmo assim, no dia da divulgação do balanço, as ações do banco caíram 4%.

Analistas ouvidos por EXAME destacaram que apesar do banco apresentar bons números, o mercado está mais atento a cada passo dos bancões, diante do avanço crescente da concorrência nos serviços financeiros e das injeções de capital nas fintechs e bancos digitais. 

O Banco do Brasil informou ao mercado que vai lançar uma reorganização institucional chamado “Programa de Adequação de Quadros”. A estatal já havia feito seu último plano de desligamentos no ano passado, reduzindo o quadro em 2.195 funcionários. O banco terminou 2018 com 101.000 colaboradores.

Empresa Ticker Desempenho no mês
Gerdau GGBR4 -9,34%
Gerdau Metalúrgica GOAU4 -8,45%
Bradesco BBDC4 -8,01%
Banco do Brasil BBAS3 -7,76%
Suzano SUZB3 -6,88%
Smiles SMLS3 -6,79%
Bradesco BBDC3 -6,16%
Cemig CMIG4 -4,82%
IRB Brasil IRBR3 -4,78%
Petrobras PETR3 -4,20%