As ações que mais subiram e as que mais caíram em 2017

Pelo segundo ano consecutivo, Ibovespa teve ganhos; de janeiro a dezembro, alta acumulada foi de 26,8%

São Paulo — O Ibovespa terminou 2017 com alta acumulada de 26,8%. Foi o segundo ano consecutivo de ganhos para o índice, que fechou 2016 com alta de quase 39%.

Não faltaram emoções na bolsa brasileira neste ano. A sessão que entrou para a história foi a do dia 18 de maio. Naquela quinta-feira, os investidores ficaram apreensivos após a informação de que Joesley Batista, um dos controladores da JBS, teria uma gravação que poderia comprometer o futuro do presidente Michel Temer.

O resultado? A Bolsa fechou na maior baixa diária em quase nove anos, com recuo de quase 9%. Durante a manhã daquele dia, os negócios chegaram a ser interrompidos pelo circuit breaker, um mecanismo que paralisa as negociações em 30 minutos e que só é acionado quando as cotações superam o limite de 10% de alta ou de queda. A última vez em que isso tinha acontecido foi em outubro de 2008, em meio à crise internacional.

Aos poucos, a Bolsa se recuperou e bateu uma sequência de recordes. No dia 13 de outubro, o índice atingiu sua máxima histórica, aos 76.989 pontos.

Destaques do ano

Das 59 ações que compõem o Ibovespa, quatro apresentaram ganhos superiores a 100% em 2017, segundo levantamento da empresa de informações financeiras Economatica.

A Usiminas é quem obteve o maior retorno no período. De janeiro a dezembro, os papéis preferenciais da companhia tiveram ganhos de 121,9%. Em seguida, aparece Estácio, com alta acumulada de 111,3% e Localiza, com ganhos de 106%.

Empresa Ativo Variação em 2017
Usiminas USIM5 121,9%
Estácio ESTC3 111,3%
Localiza RENT3 106%
Bradespar BRAP4 104,8%
Smiles SMLS3 82,7%
Lojas Renner LREN3 70,8%
Tim TIMP3 69,4%
Qualicorp QUAL3 69,2%
Vale VALE3 63,7%
WEG WEGE3 58,5%

Na ponta negativa, o destaque é a BRF, que fechou o ano com perdas na casa dos 24%. CSN, CPFL e Eletrobras também estão entre as maiores baixas.

Empresa Ativo Variação no mês
BRF BRFS3 -24,1%
CSN CSNA3 -22,7%
CPFL CPFE3 -22,5%
Eletrobras ELET3 -15,2%
JBS JBSS3 -13,6%
Cemig CMIG4 -5,5%
Eletrobras ELET6 -5,3%
Copel CPLE6 -2,3%
Petrobras PETR3 -0,1%