Apple, Amazon, Google e Facebook perdem US$ 131 bi com ameaça de inquérito

Comissão Federal do Comércio e o Departamento de Justiça dos EUA iniciaram inquéritos sobre as empresas

O cerco está se fechando para as gigantes de tecnologia: ontem, ameaças de investigações sobre concorrência desleal fizeram Apple, Amazon, Google e Facebook perderem US$ 131 bilhões em valor de mercado na Bolsa. Isso porque, desde o fim de semana, a imprensa americana tem noticiado que a Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês) e o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ, na sigla em inglês) fizeram um pacto para iniciar inquéritos sobre as empresas.

Paralelamente, um comitê de deputados dos partidos Democrata e Republicano também decidiu iniciar sua investigação.

A notícia fez as ações das gigantes caírem ontem: Google e Facebook se desvalorizaram em mais de 6%, enquanto a Amazon teve queda de 4,5% e a Apple, de 1% – a empresa do iPhone foi menos impactada por conta da boa reação dos anúncios na WWDC, sua conferência de desenvolvedores, realizada ontem (leia mais abaixo).

Segundo disseram fontes a veículos como o Wall Street Journal e a agência de notícias Reuters, o Departamento de Justiça e a Comissão Federal do Comércio vão dividir as investigações – a primeira vai fiscalizar Google e Apple, enquanto a FTC ficará com a Amazon e o Facebook. Vale lembrar que a agência reguladora já está investigando o Facebook por quebra de acordo sobre proteção de privacidade de usuários pelo caso Cambridge Analytica.

Já a investigação na Câmara dos Deputados americana será realizada pelo Comitê de Antitruste da casa. Procuradas pela imprensa americana, as empresas se negaram a comentar o assunto. O mesmo vale para o Departamento de Justiça e a Comissão Federal do Comércio, que não costumam divulgar preparações para inquéritos.

Veja também

Contexto. Caso as operações se confirmem, será um enorme golpe em um dos principais setores da economia americana. Hoje, a indústria de tecnologia tem sido vista como vilã, por ter empresas que retêm muito poder e podem gerar danos aos usuários ou à competição nos mercados. Vale lembrar ainda que o Google, por exemplo, já foi multado três vezes pela União Europeia em questões antitruste.

Outro aspecto relevante a ser considerado é o fato de que o presidente americano, Donald Trump, é um crítico severo das empresas de tecnologia. Segundo Trump, as redes sociais e o Google oprimem o discurso conservador em suas plataformas. Além disso, o republicano também costuma criticar a Amazon por “obter vantagens injustas” do correio americano, sem fornecer detalhes sobre o assunto.

As gigantes de tecnologia também estão na mira de candidatos democratas à presidência dos EUA, em disputa marcada para o ano que vem. As manifestações mais fortes vêm de duas senadoras: Elizabeth Warren e Kamala Harris, defensoras da tese de que as empresas do setor têm de ser divididas ao meio, como já aconteceu, por exemplo, com a Standard Oil.